Ponte sobre rio paulistano tem design inspirado na vitória régia amazônica

A estimativa dos envolvidos no projeto é que a construção da ponte e a entrega da ciclovia beneficie cerca de 300 mil pessoas, sem atrapalhar o fluxo de embarcações no rio

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 28/01/2014 08:03 / atualizado em 28/01/2014 13:22 CorreioWeb /Lugar Certo
De acordo com os responsáveis pelo projeto, a expectativa é que a ponte incentive o uso de bicicletas e da rede de transporte público - Luis Laurini/Divulgação De acordo com os responsáveis pelo projeto, a expectativa é que a ponte incentive o uso de bicicletas e da rede de transporte público

Cerca de 15 mil pedestres e ciclistas de São Paulo já podem circular diariamente sobre a recém inaugurada ponte móvel intitulada Friedrich Bayer. Projetada para interligar os usuários entre o bairro do Socorro e a estação Santo Amaro da CPTM/Metrô, a ponte possui um design inspirado na planta amazônica, vitória régia.

O visual arrojado aliado à tecnologia, apresenta no meio do rio Pinheiros com o canal da represa de Guarapiranga, uma estrutura com duas plataformas circulares metálicas de 18 metros de diâmetro, cobertas de vegetação, completando, ao todo, 90 metros de extensão. Motores elétricos de alta potência permitem que a ponte seja móvel no centro para facilitar a navegação de embarcações, além de ampliar em 2,8 quilômetros a ciclovia que corre ao longo do rio.

Luis Laurini/Divulgação


O novo equipamento urbano foi projetado pelo escritório Loeb Capote Arquitetura, dos arquitetos Roberto Loeb e Luis Capote, orçado em cerca de R$ 5 milhões. “A concepção é inspirada na vitória régia. Por isso temos duas ilhas flutuantes”, explica o arquiteto Roberto Loeb, um dos responsáveis pelo projeto.

De acordo com os responsáveis pelo projeto, a expectativa é que a ponte incentive o uso de bicicletas e da rede de transporte público. Com esse projeto, o propósito é reduzir a emissão de gás carbônico na atmosfera da capital paulista em até 300 toneladas por ano. “O projeto promove a recuperação e transformação da paisagem local”, disse Loeb.

O projeto é uma parceria entre o poder público e a iniciativa privada, que teve a construção iniciada em dezembro de 2012. De acordo com os arquitetos, ainda está previsto a integração do projeto com a futura construção de um edifício ecológico no local.

Luis Laurini/Divulgação

Luis Laurini/Divulgação

Tags: cores

Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
05 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
23 de setembro de 2016