Espaços para estudo exigem decoração especial para um melhor aprendizado

Arquitetos dão dicas para adequar bem o espaço de quem trabalha ou estuda no próprio lar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 06/02/2014 08:02 / atualizado em 05/02/2014 16:49 Lilian Monteiro /Estado de Minas
No projeto dos designers Alfredo Mendes e Luiza Imperial, o ambiente confortável e acolhedor é ideal para quem trabalha e estuda em casa  - Lider/Interiores No projeto dos designers Alfredo Mendes e Luiza Imperial, o ambiente confortável e acolhedor é ideal para quem trabalha e estuda em casa

Muitos não dão importância, mas o cuidado com a escolha do lugar para estudar influencia no rendimento das horas debruçadas sobre os livros na busca do conhecimento. O ambiente ideal vai determinar a qualidade. Estudar no quarto, ao lado da cama, perto da TV, do computador (ainda que seja uma ferramenta), rádio, som, barulho, com mobiliário inadequado, cores erradas, tudo isso pode afetar o esforço de um estudante na hora da aprendizagem. Vai prejudicar e desviar a atenção. Então, qual é o melhor espaço e a decoração correta para que estudar seja sempre um prazer?


A primeira regra é respeitar o estilo de aprendizado de cada um. Ou seja, há quem só se concentre com silêncio absoluto e quem não suporte tanta tranquilidade e sinta até inquietação. Outros rendem melhor sentados, diante da mesa, e alguns deitados, no conforto da cama. Independentemente do perfil, o importante é evitar exageros. Um ambiente com muita luz, ruídos ou quente demais não vai ajudar na produtividade.

A arquiteta Laura Santos recomenda cores leves para o quarto de estudo. “Já a iluminação, tanto natural quanto a projetada, deve ser bem pensada, já que influencia no rendimento da atividade. É imprescindível que o foco seja no local de estudo, principalmente se a pessoa utilizar o espaço à noite.” Para ela, a bancada deve ter largura mínima de 1m, para que o notebook e um livro ou caderno possam ser abertos lado a lado. “Se possível, opte por uma parede larga para acomodar a bancada. Quanto maior o comprimento mais confortável é a atividade. E a posicione em um local claro e arejado. A altura não pode passar de 75cm. A escolha da altura da bancada em alguns casos pode ser alterada em função da cadeira utilizada. Mas geralmente elas têm um sistema de adaptação e regulagem. Isso é muito importante. A altura da pessoa tem que ser levada em conta, pois se calculada errada a coluna é a primeira a ser prejudicada.”

Para Laura, além de seguir as regras “técnicas”, o quarto de estudo pede beleza, aconchego, peças lúdicas e, por que não, emocionais, como uma escrivaninha herdada ou uma mesa antiga. “É importante destacar que a escrivaninha pode ser usada se as medidas forem compatíveis com o espaço disponível. Nesse caso, é interessante o acompanhamento de um profissional, pois assim o móvel será aproveitado da melhor forma possível.” A arquiteta diz que uma boa dica é laquear o móvel, dando a ele uma releitura moderna e deixando o ambiente com mais estilo. “Independentemente do móvel, é preciso respeitar a altura-padrão para não prejudicar a coluna. A mesa pode ser uma opção, mas lembre-se dos itens restantes, como iluminação, cadeira adequada para a mesa e as condições do ambiente. Tudo em conjunto e pensado pode fazer do estudo um momento agradável. Pense no conforto e evite desgaste e cansaço.”

A arquiteta Laura Santos recomenda cores leves para o quarto de estudo e o planejamento da iluminação, tanto natural quanto artificial  - Osvaldo Castro/Divulgação A arquiteta Laura Santos recomenda cores leves para o quarto de estudo e o planejamento da iluminação, tanto natural quanto artificial


Amadeirados

Mozart Vidigal, do escritório Forma Arquitetura, avisa que o primeiro passo para qualquer decoração é entender e trabalhar em cima da proporção do ambiente e do desejo do cliente. Ele alerta sobre os cuidados na hora de dividir o quarto de dormir com espaço para estudar. “Um não pode se sobrepor ao outro. Atualmente, crianças e adolescentes, principalmente, querem um microcosmo em que é possível associar as atividades de aprendizado com as de relaxamento.”

Para uma decoração adequada, o arquiteto lembra da boa ventilação e iluminação. “Se a arquitetura não oferecer naturalmente, é preciso criar. Para dormir é um tipo de luz, para estudar é outro, direcionada, para não dar sombra.” Ele é um entusiasta da escrivaninha, que considera cada vez mais atualizada. Aliás, para ele, os demais móveis a têm como ponto de partida, de referência. Enfim, todos os outros acabam sendo releituras, seja a bancada suspensa, acoplada ao móvel ou um modelo de rodízio. “Os modernos querem peças mais soltas, mas há quem tenha ligação com móveis clássicos.”

A cor é uma preocupação apontada por Mozart. Ele conta que a tendência são os amadeirados associados a cores. “Tons fortes demais tiram a atenção na hora do estudo e não deixam a pessoa descansar, dormir. Por isso, o ideal são as cores sóbrias. Para não ficar sem graça, é possível ousar nos detalhes coloridos.”

Lider/Interiores


Fique atento


» Bancada, escrivaninha ou mesa? Seja qual for o tipo de móvel escolhido, o importante é ter um lugar adequado para se dedicar aos estudos. Um canto bem planejado

» Uma varanda que foi anexada à sala pode virar um simpático local para estudar e trabalhar

» Se tiver um espaço sob a escada, é possível montar um pequeno ambiente em L para estudar ou mesmo um escritório

» O mobiliário adequado é fundamental. Se o quarto foi planejado, fique atento para ter potes e nichos organizadores

» Um bom projeto de quarto infantojuvenil deve ter uma mesa com, no mínimo, 90cm de largura e 50cm de profundidade. A altura da bancada costuma ser de 65cm para crianças de até 7 anos e, no caso dos mais velhos, de 73cm a 82cm

» O material ideal para a mesa de estudos não pode ser condutor de calor e deve proporcionar uma sensação tátil agradável. Para quem tem filhos pequenos, madeiras e laminados, com bordas arredondadas, são mais seguros e resistentes

» Deixe a bancada sempre na direção contrária à televisão para evitar dispersão na hora do estudo. Pelo mesmo motivo, estantes, nichos e gaveteiros com o material escolar devem ficar próximos à mesa para organizar livros e cadernos. Caixas organizadoras também podem ser úteis

» A cadeira mais bonita ou barata não é a escolha ideal. Fique de olho. O ideal é que o modelo tenha regulagem de assento e encosto - esse deve ser alto, para apoiar completamente as costas. Especialistas indicam a opção por peças com apoio de braço, principalmente para quem usa computador. Cadeiras com rodízio devem ser evitadas para crianças de até 10 anos: vai estragar todo o piso!

» Quanto ao revestimento, o tecido é ótima pedida, assim como o couro. Mas há quem escolha cadeiras feitas com materiais que sujam menos, como o acrílico e o polipropileno, que aparecem nos projetos mais modernos

» Use lâmpadas que não esquentam, como os LEDs, que gastam menos energia. Uma luminária ou abajur direcionado à mesa, bancada ou escrivaninha vai evitar a sombra

Tags: tinta

Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
05 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
23 de setembro de 2016