Tonalidade que varia entre o roxo e o rosa é tendência para decoração

Com nuances e variações de fúcsia, roxo, lilás e rosa, o tom pode ser usado com cautela em pintura, adornos e acessórios

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 12/02/2014 08:00 Lilian Monteiro /Estado de Minas
Para a decoração de interiores, a cor pode incorporar a cor em pintura, adornos e acessórios - Líder Interiores/Divulgação Para a decoração de interiores, a cor pode incorporar a cor em pintura, adornos e acessórios
 
 
Dona da paleta de cor mais famosa do mundo e com poder de influenciar todas as áreas, da moda à beleza, do design à decoração, a Pantone, empresa gráfica americana que é um instituto de cor, definiu para este ano a radiant orchid (orquídea radiante) como o tom que é tendência. Com nuances e variações de fúcsia, roxo, lilás e rosa, a cor é cativante e enigmática. A proposta é usar de forma harmônica e criativa esses tons, que inspiram confiança, alegria, amor e saúde. Um roxo que atrai porque é sedutor.

Para a decoração de interiores, a Pantone recomenda incorporar a cor em pintura, adornos e acessórios. Adaptável e bonita, a cor tem casamento perfeito com os verdes oliva e caçador e uma combinação incrível com turquesa e amarelo. Como é vibrante, a orquídea radiante destaca tons neutros, como cinza e bege, deixando-os ousados. Aliás, ela aceita quase toda a paleta de cores, já que age como elemento de união para diversos espaços.

A arquiteta Estela Netto, do escritório Estela Netto Arquitetura e Design, antes de mais nada pede cautela. Ela lembra que investir no tom numa peça de roupa ou acessório é diferente porque a representatividade é menor. É efêmera, bem diferente de uma casa, e pode acompanhar as tendências e novas formas de pensar. “O projeto de uma casa é mais que moda. O importante é saber se tem a ver com o repertório estético do cliente. Se estiver disposto a ousar, experimentar, tudo certo. Pode inserir a cor em lugares pontuais ao lado de tons neutros, como o off-white, cinza e beges, tendo ao lado um profissional.”

Para Estela, a cor orquídea radiante é bem interessante e faz relação com a contemplação, é relaxante e feminina. “Acho que muda a casa nessa direção. Tem relação com a interiorização, a beleza e não foi escolhida por acaso, já que o mundo caminha nessa direção.”

Por outro lado, a arquiteta lembra que, pela variedade de tonalidades, a cor de 2014 pode se apresentar de diversas maneiras. “Ela não deixa de ser insinuante e vibrante. Dependendo do tom, vai do alegre ao desmaiado, que remete o tom refrescante.” Enfim, para Estela a atenção tem de estar “em adequar a realidade a cada projeto. Para pontos comerciais, espaço público, em que o gosto pessoal não é determinante, é superválida a cor porque mostra informação. Por não ser obrigado a se identificar com o gosto individual dos funcionários, por exemplo, ao investir na tendência o ambiente vai mostrar uma imagem antenada, ligada a tudo, às novidades.” Agora, se for projeto residencial, Estela indica ir com cuidado. “Num primeiro momento, invista em mobiliários e adornos. A quantidade e combinação dependem do estudo da arquiteta com o cliente.”

Com experiência de sobra, a decoradora Sandra Penna lembra que nos últimos três anos “toda adolescente me solicitou um quarto lilás, roxo, violeta. Elas adoram e, confesso, ainda não descobri por quê”. O certo é que, numa gama ou outra, a profissional enfatiza que a cor escolhida para 2014 é das mais interessantes, já que vai abarcar “tons que são de espiritualidade, conforme a cromoterapia. Além de ser uma cor que marca.”
 
Líder Interiores/Divulgação
 
 
Milão

Mas Sandra recomenda moderação. Por isso, ela sugere apostar em almofadas, eleger uma parede para criar contraste, já que a sala todo pintada de orquídea radiante ficaria demais. No quarto, indica o tom na cabeceira ou no cobre-leito ou, então, em peças avulsas, como num aparador de laca ou mesa lateral com essa cor especial. “Ela combina bem com branco, cinza e off-white. Agora, quem tem personalidade pode casá-la com tons fortes como amarelo ou turquesa. No entanto, só fica bacana com quem tem estilo, é livre. Aí, sim, pode abusar da mistura porque é diferente e elegante.”

Agora, quem é clean ou mesmo moderna, mas “que se prende aos rótulos da decoração, tudo bem brincar com os detalhes”, de acordo com Sandra. “Ter cada parede num tom forte fica agressivo. Por isso, vai depender da decoração e do perfil do cliente. A cor pode aparecer também numa decoração mais solta, sem compromisso, na cadeira, sofá, poltrona ou banquetas estofadas.” A decoradora destaca que, certamente, no Salão de Milão, na primeira quinzena de abril, serão apresentadas novas propostas com a cor eleita pela Pantone. “Na decoração, vale ressaltar que a tendência entra mais no detalhe. De repente, um designer lançará uma cadeira de fibra na cor orquídea radiante. E aí, seguramente, vai ganhar o mundo.”
 
Saiba mais: o poder da cor

Se em 2013 a Pantone escolheu o verde-esmeralda, que fez o maior sucesso, o orquídea radiante deste ano já caiu nas graças do mercado. Até decidir sobre qual tom dará seu aval, a empresa americana faz análise cuidadosa e literalmente penteia o mundo à procura de influências de cor, que vai desde a indústria do entretenimento e filmes até disponibilidade de novas texturas e eventos esportivos. Sua decisão influencia várias indústrias, incluindo moda, casa, design industrial, embalagem do produto e design gráfico.
 
Imaginarium e Oppa/Divulgação
 

Tags: imóveis

Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
05 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
23 de setembro de 2016