Nada convencionais, contêineres podem se transformar em casa ou bar

Recipiente de metal destinado ao transporte ou guarda de cargas ganha nova destinação. A estrutura pode ser transformada em moradia e levada para onde o dono quiser

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
 O custo é 15% menor em comparação com a edificação tradicional e é de baixo impacto ambiental - Paula Rafiza/Esp. CB/D.A Press O custo é 15% menor em comparação com a edificação tradicional e é de baixo impacto ambiental


O que era para ser um depósito de móveis antigos se transformou no doce lar de um casal de arquitetos e restauradores. O imóvel, nada convencional, não é feito de tijolos, madeira ou palha. Não tem telhado ou janelas, mas conta com sala, quarto e cozinha, como qualquer outra moradia. Diferentemente da maioria, essa pode ser levada a qualquer lugar. Trata-se de uma casa feita a partir de contêineres, instalada no Lago Sul, em um terreno no Setor de Mansões Dom Bosco. A estrutura reúne quatro unidades de seis metros cada uma, usadas, normalmente, para o transporte de carga. Mas, assim como outras residências, ela possui sistema de iluminação, encanamento e até tevê por assinatura.

A compra do primeiro contêiner ocorreu após uma reconciliação, conta Ana Laterza, 26 anos. Segundo ela, a separação dos pais durou um ano e rendeu duas casas de solteiro mobiliadas. Da decisão de se unirem novamente, veio a vontade de construírem um espaço comum. “Eles compraram um lote para erguer a casa. Acontece que não tinham onde colocar as coisas dos dois, pois acabaram se mudando provisoriamente para um apartamento enquanto a obra acontecia. Nesse momento, eu e meu marido pensamos logo em colocar tudo em um contêiner”, explica.

Divulgação/Container Bar


Os pais de Ana foram surpreendidos com a proposta do casal de morar em um contêiner para acompanhar de perto a construção da casa. “Eles acomodariam as coisas e a nós também. Pensamos que seria bom tanto para eles quanto para nós, pois, faríamos o projeto da casa nova e eles nos cederiam os contêineres. Assim, saíamos do aluguel”, completou Alessio Gallizio, 29 anos, marido de Ana. Além de acompanhar a obra, o casal decidiu reformar os contêineres, a fim de transformá-los em um local agradável para morar. “Falamos com os meus pais que a ideia seria levar a casa de lata embora ao fim da construção. Meu pai apoiou desde o início. Por ele ser engenheiro, foi mais fácil”, arrematou Ana. A moradia dispõe, entre outras coisas, de banheiro, sala de jantar e área de lazer, onde o casal pendurou uma rede.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Tags: decoração

Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
05 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
23 de setembro de 2016