Tecnologia de impressão 3D chega ao mercado da construção civil

No Brasil, o método já é utilizado por arquiteto para mostrar projeto final aos clientes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 25/05/2015 08:35 / atualizado em 22/05/2015 17:58 CorreioWeb /Lugar Certo
WinSun / Eduardo Rodrigues Arquitetura


O setor da construção civil está em constante evolução. A moda agora é investir em projetos de construção feitos a partir de impressoras 3D. Em todo o mundo, construtoras já desenvolvem estudos e testes para comercializar casas impressas o mais rápido possível. O Brasil ainda não tem casas feitas com a tecnologia, mas algumas empresas já estão de olho na oportunidade.

Leia mais notícias em Arquitetura e Decoração

O arquiteto paulistano Eduardo Rodrigues, de 33 anos, investiu na tecnologia para otimizar os serviços prestados no escritório de arquitetura que comanda, em Sorocaba (SP). Há cerca de dez meses, ele oferece para os clientes a maquete do projeto feita com a impressora 3D e comemora o sucesso. “Acaba sendo um diferencial. Tem clientes que se encantam e contratam nosso serviço”, conta o arquiteto, que já fez casas e até um prédio com a tecnologia.

Eduardo Rodrigues Arquitetura


Além do atrativo para novos clientes, Rodrigues explica que imprimir a maquete é melhor do que fazê-la manualmente, como chegou a tentar no início do negócio, sete anos atrás. Como ele sempre foi apaixonado por maquetes, quando viu que não ia dar certo fazer o trabalho à mão, já sonhava com o dia em que poderia adquirir uma máquina para executar a mini-obra. “Foi mais viável pelo custo hoje em dia”, afirma, contente porque as impressoras 3D caíram no mercado comum a preços acessíveis.

Ter um projeto palpável da futura casa em mãos não é apenas vaidade. Para o arquiteto, a maquete, que é feita de um tipo de plástico, ajuda a explicar o projeto para o cliente e no processo de construção que vem em seguida. “Facilita todo o processo, desde o entendimento do cliente”, garante.

A impressora do arquiteto de São Paulo custou em média R$ 16 mil, mas ele precisou investir R$ 20 mil, no total. Rodrigues garante que não teve prejuízos. “[A maquete] agrega valor ao produto total e representa 3% do valor do projeto”, explica.


Construções impressas

Na China, a novidade já é realidade, graças à empresa WinSun, que garante que em 24 horas é capaz de erguer dez casas com a nova técnica. Para a casa ficar firme, o material utilizado precisa ser resistente. Na versão chinesa foi utilizada uma mistura de cimento com fibra de vidro. A WinSun faz a impressão das paredes em camadas e em seguida os operários da empresa, com ajuda de guindastes, fazem o encaixe para montar a casa.

WinSun


Nos Estados Unidos, a Universidade do Sul da Califórnia tem o projeto da Contour Crafting, método que seria capaz de imprimir casas de 230 metros quadrados em apenas um dia. Nesse caso, a impressora gigante se move por trilhos criando camadas de concreto para formar paredes ocas e, em seguida, as preenche com concreto adicional. Os muros e paredes são feitos com camadas de concreto, mas a máquina também pode ser programada para pintar paredes, colocar telhas, pisos, encanações e fiação elétrica.

Reprodução Contour Crafting

Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
05 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
23 de setembro de 2016