Reformar ou demolir? Arquiteto dá 6 dicas para ajudar na decisão

Especialista comenta os aspectos que devem ser observados antes de iniciar uma obra de reforma ou até de optar pela demolição do imóvel

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 02/10/2015 11:26 / atualizado em 02/10/2015 13:55 Hellen Leite
Secovim/Reprodução
O que considerar na hora de reformar um imóvel? A reforma é mais adequada ou é melhor demolir e construir de novo? Estas são questões frequentes com a qual muitas pessoas se deparam ao comprar um imóvel antigo e que necessita de muitos reparos e mudanças para se adequar ao interesse e perfil do proprietário. A decisão, se não tomada corretamente, pode representar um grande problema, de consequências difíceis de gerenciar e custos acima do previsto.

O arquiteto Marcio Gifford, do escritório Gifford Arquitetos, sugere, ao comprador sem conhecimento do tema, que leve um profissional especializado para avaliar o imóvel, antes de fechar o negócio, a fim de evitar aborrecimentos e frustrações após a compra do bem. Ainda assim, será necessário definir depois o que fazer para que o imóvel fique no padrão desejado. E aí várias questões devem ser analisadas. Veja as dicas de Gifford sobre o que considerar na hora de reformar um imóvel:

Leia mais notícias em Arquitetura e Decoração

Apartamentos: novas normas requerem atenção

É preciso muita atenção quando pensar que só “uma reforminha” resolve o assunto. Atualmente, para reformas em apartamentos, é necessário um profissional que se responsabilize pela obra e entregar toda a documentação da reforma para o(a) síndico(a) do prédio. Isso inclui: projetos de arquitetura (quando houver modificações de paredes), elétrica e hidráulica (quando houver modificações de pontos de elétrica e hidráulica), memoriais descritivos e dos documentos de responsabilidade pela obra, seja o RRT (Registro de Responsabilidade Técnica) emitido por arquitetos, ou a ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) emitida por engenheiros. Sem essa documentação, é grande a probabilidade de que o condomínio não autorize a obra ou até embargue a mesma.

Imóveis de rua (casas e lojas): reformar ou demolir

Dependendo do estado do imóvel e do projeto que se quer implantar, é recomendável avaliar se é melhor reformar ou demolir o imóvel e construir outro novo. Para isso, é importante considerar os seguintes pontos:

1 - Analisar todos os projetos existentes e observar o histórico das obras já realizadas, para que se tenha uma real ideia da condição do imóvel;

2 - Observar a estrutura de sustentação existente, ou seja, pilares, vigas e lajes que podem ser modificadas, com a análise e o parecer de um engenheiro de estruturas, para avaliar se a reforma atenderá o objetivo ou se é mais adequada uma nova construção;

3 - Derrubar paredes, trocar telhados e fazer alterações estruturais na planta original, na fundação e alvenaria pode não compensar, dependendo do projeto que se quer implantar. Por isso, é preciso avaliar o custo da reforma em comparação ao de uma nova construção, com um orçamento bem detalhado;

4 - As alterações devem estar de acordo com a legislação atual de construções. Em determinados casos, por exemplo, o imóvel está localizado no limite da frente do lote, o que era permitido anteriormente, mas não é hoje. Então, para que continue em situação regular, é preciso que se mantenha essa parede frontal, com todas as suas características.

5 - Em caso de demolição total do imóvel, a nova construção deve obedecer à legislação atual, que em determinados casos exige recuos frontais que podem ser de 4 metros ou mais. Além disso, é necessário cumprir todos os demais itens exigidos para a construção do imóvel, como recuos laterais, recuo de fundo, área permeável, taxa de ocupação do terreno, área máxima construída, entre outros. Mais uma vez aqui é aconselhável a contratação de um arquiteto ou engenheiro, para saber exatamente o que é necessário para atender à legislação sobre aquele determinado imóvel.

Recomendações para todos os tipos de imóveis

Em caso de reforma, é importante conferir se as plantas existentes estão de acordo com a realidade construída (o que nem sempre acontece). Com isso, é possível evitar as “surpresas” que podem acontecer durante uma reforma, e que acabam encarecendo o preço inicial da obra. Outras dicas são:

1 - Ter projetos e planejamento na execução é fundamental, pois a falta deles sempre encarece uma obra, seja ela reforma ou construção. Com todos esses elementos bem executados e planejados, a possibilidade de erros ou modificações acontecerem durante a execução da obra fica bastante reduzida;

2 - A troca da parte hidráulica e elétrica de um imóvel antigo é sempre recomendável, e é melhor fazê-la durante a reforma, e não deixá-la para “mais tarde”, porque, depois da reforma concluída, poderá ser necessário quebrar todo o trabalho executado, gerando custos adicionais;

3 - Em caso de reformas parciais, quando se resolve mudar apenas uma determinada parte do imóvel, por considerar que o resto está bom, é necessário estudar e avaliar bem a reforma parcial, para que a parte reformada do imóvel não destoe da parte não reformada, e depois seja necessário realizar uma grande reforma, com um custo e prazo de obra muito acima do desejado. Mais uma vez, a contratação de um arquiteto e um engenheiro é fundamental para o auxílio das decisões que serão tomadas;

4 - Em relação aos custos, revistas especializadas apresentam os custos de todos os itens necessários para uma reforma e construção, assim como o da mão de obra. Esses custos variam de acordo com a região e o padrão dos acabamentos escolhidos. Portanto, a pesquisa de preços de materiais é a melhor dica para quem vai construir ou reformar, porque sempre existem promoções que podem representar uma grande economia na obra.

Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
05 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
23 de setembro de 2016