Dar função para cômodo sem uso é saída para tornar a casa mais prática

Com planejamento e profissionais certos é possível realizar o sonho de transformar qualquer cômodo em um ambiente prático e charmoso

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 28/07/2016 11:21 Lilian Monteiro /Estado de Minas
Garagem vira loft em projeto da engenheira Cristiana Abadjieff, que ainda transformou um galpão em estúdio e ampliou uma cozinha - Arquivo pessoal Garagem vira loft em projeto da engenheira Cristiana Abadjieff, que ainda transformou um galpão em estúdio e ampliou uma cozinha


Quebrar paredes, acabar com a área de lavanderia para ampliar a cozinha, transformar o quarto em escritório, fazer do terraço uma academia... Vale tudo na hora de reformar. Dar outra função para um cômodo que está sem uso ou não é funcional é a saída de muitas pessoas para tornar a casa mais prática, aconchegante e realizar um sonho. A missão não é fácil. Demanda paciência e exige, antes de tudo, planejamento. Mesmo porque, além do desejo, é preciso saber a viabilidade, já que, ao quebrar um ambiente para criar outro, há regras e necessidades que, às vezes, tornam a realização do projeto impossível. Mas há solução para tudo: executar a obra com menos tempo, menor custo, sem tanto barulho ou poeira e, assim, atender ao desejo do cliente.

A engenheira de produção civil Cristiana Abadjieff e a designer de interiores Nina Abadjieff, da Help Home Contorno, têm essa demanda e dizem que é comum o pedido de clientes para alterar ambientes em imóveis novos ou usados. Cristiana explica que mudanças nesse nível exigem sintonia e muita conversa entre o profissional e o cliente, para a tomada de decisões acertadas e em conjunto. Ela alerta que nem sempre é possível, mas há soluções para adequar a mudança à necessidade do cliente.

A engenheira avisa que os maiores desafios nesse tipo de reforma são lidar com a parte elétrica, a hidráulica e a iluminação. “Muitas vezes, nos deparamos com projetos antigos, em que precisamos descobrir por onde passa a rede hidráulica, já que não podemos juntar esgoto com água pluvial. O que sai do banheiro não pode encontrar com a caixa de gordura. Enfim, às vezes, é praticamente uma nova construção. Mas hoje em dia há solução para praticamente tudo, da construção ao design, com os móveis planejados, por exemplo.”

Leia mais em Arquitetura e Decoração

Cristiana conta que transformou uma garagem em um loft. “Um desafio estimulante. Era uma área considerável, com pé-direito alto, que nos possibilitou criar um segundo andar para o quarto com estrutura metálica. Na parte inferior, adequamos para um banheiro e fizemos uma cozinha linear, que funciona na parede com pia e fogão em sequência, e uma sala de jantar. Tudo sem divisão, sem parede. Foi uma mudança completa.”

Galpão antes da transformação...  - Arquivo pessoal Galpão antes da transformação...


Em outro projeto, a missão de Cristiana Abadjieff foi fazer de um galpão, projetado para abrigar atividades de uma marcenaria, descolado estúdio de gravação. Para se adaptar à nova realidade, a ideia foi buscar soluções criativas e ecologicamente corretas. “A sustentabilidade é superimportante e, no caso do galpão, procuramos manter a maior parte da estrutura, que fizeram parte da composição final.” Nos 300 metros quadrados (m²), um jardim vertical deu frescor ao lugar e a telha transparente aumentou a luminosidade. A ideia foi manter as características para dar um estilo rústico ao estúdio, que utiliza equipamento analógico. Parte do teto foi retirada para aumentar a circulação de ar. Cristiana explica que a ideia é que o proprietário Anderson Guerra possa utilizar o local para outras finalidades além da gravação, como abrigar um happy hour e desfiles de moda.

Cristiana conta que existem ambientes mais complicados de mudar, como fazer da cozinha uma sala! “Há mais dificuldade em criar mais um banheiro ou mesmo outra cozinha, enfim, áreas frias, em função da parte hidráulica. Para a parte elétrica temos outras soluções, para o encanamento não é tão simples. Até é possível fazer, mas ficará uma obra cara. Então, só mesmo se for um desejo do cliente e não apenas para resolver um problema.”

A engenheira conta sobre outro projeto que adorou fazer, diante de um resultado bacana, que foi transformar uma cozinha fechada e apertada. “Acabamos com o quarto de empregada, que na realidade era o quartinho da bagunça, e uma área de lavanderia que não cabia nem o tanque. Integramos tudo, ampliamos a cozinha, que virou americana, e deixamos metade de uma parede do quarto de empregada (no sentido da extensão da cozinha) para dar privacidade para a lavandeira e tudo isso sem limitar a circulação. Ficou um espaço muito mais agradável e funcional.”

...e depois, quando virou um descolado estúdio de gravação - Arquivo pessoal ...e depois, quando virou um descolado estúdio de gravação


ECONOMIA Em outro pedido, Cristiana foi desafiada a fazer de um banheiro, dois. Ela explica: “Num apartamento no Sion, os moradores tinham um banheiro social grande, que pediram para transformá-lo num lavado e em um banho suíte. E para complicar, queriam uma banheira de imersão, o que nos obrigou a encontrar a melhor saída para o sistema de aquecimento. Foi na base da tentativa e erro, porque mesmo o mercado não estava preparado. Foi estimulante, difícil, mas brincamos com as mudanças e o apartamento ficou ainda mais valorizado. Afinal, trabalhamos com o sonho dos clientes e precisamos ir atrás do que for possível para entregar-lhes o que desejam.”

Apesar das surpresas que toda obra pode impor, Cristiana enfatiza que o primeiro passo, sem discussão, é “um bom planejamento, com profissionais capacitados, para que a reforma não saia dos trilhos e o orçamento não estoure. Acompanhamos tudo, vamos às compras, fazemos os ajustes necessários (o porcelanato branco pode estar muito caro, mas o off white fará o mesmo efeito e pela metade do preço, por que não?). Hoje em dia, economia é tudo. Não olhamos só o poder, mas o querer e, acima de tudo, o respeito ao cliente. Não faz sentido indicar o mais caro, é preciso ser flexível. Já mudamos um projeto inteiro no meio da obra porque o planejado sairia caro demais.”

Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
05 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
23 de setembro de 2016