Turbinas eólicas silenciosas são desenvolvidas para áreas residenciais

A turbina, ainda em fase de desenvolvimento, poderá gerar metade das necessidades energéticas de uma família com quatro pessoas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 06/08/2014 08:15 / atualizado em 06/08/2014 11:31 Hellen Leite
Michel Van Nederveen-LiamF1

A energia eólica, proveniente dos ventos, é uma das principais soluções para a obtenção de energia limpa, criada sem detritos ou consequências negativas para o meio ambiente. A vista das vastas "fazendas", formadas por geradores eólicos, parecidos com gigantes moinhos de vento, já é familiar em algumas partes do país, como no nordeste onde realizam a captação pública de eletricidade. Apesar de ser possível, esse tipo de energia ainda é pouco utilizada em áreas urbanas e residenciais, tanto pelas desvantagens relacionadas a baixa produção de energia, quanto ao desconforto causado pelo barulho das turbinas.

Uma start-up holandesa de energia renovável, chamada The Archimeds, está trabalhando para resolver esses incômodos. A empresa anunciou que está desenvolvendo uma nova geração de turbinas eólicas para uso doméstico. Os aerogeradores podem produzir mais energia que as turbinas disponíveis atualmente, com a vantagem de não emitir ruídos.

A turbina gera em média 1.500 quilowatts/hora de energia, a uma velocidade do vento de 5m/s, o que se assemelha à metade do consumo de eletricidade de uma residência com quatro pessoas. Em combinação com painéis solares no telhado, uma casa pode ser totalmente autossuficiente em suas necessidades de energia. De acordo Richard Ruijtenbeek, engenheiro da The Archimedes "quando há vento, você usa a energia produzida pela turbina eólica; quando o sol está brilhando, você usa as células solares para produzir energia", explica.

Apesar do uso de energia eólica no Brasil ser limitado, o campo é um dos que mais cresce no país. O setor prevê que a participação na matriz energética brasileira vá saltar dos atuais 3% para 8% até 2018.

Tags: brasil

Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
19 de fevereiro de 2016
15 de janeiro de 2016
04 de janeiro de 2016
17 de dezembro de 2015
27 de agosto de 2015