Correio Braziliense
  • RSS RSS
  • Você está em
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Índice da Construção desacelera em julho

CorreioWeb - Lugar Certo

Publicação: 26/07/2012 10:31 Atualização:

O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M) registrou, em julho, taxa de variação de 0,85%, abaixo do resultado do mês anterior, de 1,31%. No ano, o índice acumula variação de 5,87% e, nos últimos 12 meses, a taxa registrada é de 7,31%. O índice relativo a materiais, equipamentos e serviços registrou variação de 0,63%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,30%. O índice referente à mão de obra registrou variação de 1,05%. No mês anterior, a taxa foi de 2,28%. O INCC-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

Materiais, Equipamentos e Serviços

No grupo Materiais, Equipamentos e Serviços, o índice correspondente a Materiais e Equipamentos registrou variação de 0,68%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,29%. Três dos quatro subgrupos componentes apresentaram acréscimo em suas taxas de variação: materiais para estrutura (0,27% para 0,81%), materiais para acabamento (0,25% para 0,61%) e equipamentos para transporte de pessoas (0,14% para 0,81%).

A parcela relativa a Serviços passou de uma taxa de 0,34%, em junho, para 0,44%, em julho. Neste grupo, vale destacar a aceleração do subgrupo aluguéis e taxas, cuja variação passou de 0,11% para 0,22%.

Mão de obra

O grupo Mão de Obra registrou variação de 1,05%, em julho. No mês anterior, a taxa havia sido de 2,28%. Salvador, Brasília e Porto Alegre registraram variações de 0,29%, 6,54% e 3,16%, respectivamente, por conta de reajustes salariais ocorridos em função da data base. Em São Paulo, a taxa de 0,04% reflete pequena oscilação de mercado.

Capitais

Quatro capitais apresentaram aceleração: Salvador, Brasília, Rio de Janeiro e Porto Alegre. Em contrapartida, Belo Horizonte, Recife e São Paulo registraram desaceleração.
Tags:

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Manfredo Linhares
Srs. (a): Tenho reparado que, no auge, os termos utilizados eram "boom, crescimento, valorização, aumento, melhor investimento" (...). Porém, no momento em que o mercado está em QUEDA, só leio eufemismos como "desaceleração", "variação abaixo do resultado" (...). Por quê essa diferenciação? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro, Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »