Construção Civil inicia ano com crescimento de 0,45%, diz IBGE

Custo nacional da construção, por metro quadrado, fechou janeiro em R$ 864,01

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 12/02/2014 08:00 / atualizado em 10/02/2014 14:38 CorreioWeb /Lugar Certo
A parcela de mão de obra apresentou variação de 0,26% em janeiro, configurando uma queda de 1,02% em relação à taxa de dezembro - Adauto Cruz/CB/D.A Press A parcela de mão de obra apresentou variação de 0,26% em janeiro, configurando uma queda de 1,02% em relação à taxa de dezembro

Em janeiro, o Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi) apresentou variação de 0,45%, resultado 0,43% menor do que o registrado em dezembro (0,88%). Mesmo com a desaceleração, nos últimos 12 meses, o índice apresentou alta de 0,79%, acima dos 0,52% registrados nos doze meses imediatamente anteriores. O Sinapi é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em parceria com a Caixa Econômica Federal.

Assim, o custo nacional da construção, por metro quadrado, que fechou em R$ 860,10 em dezembro passou para R$ 864,01 em janeiro, sendo R$ 477,00 relativos aos materiais e R$ 387,01 à mão de obra.

De acordo com o levantamento, a parcela de mão de obra apresentou variação de 0,26% em janeiro, configurando uma queda de 1,02% em relação à taxa de dezembro. Os materiais, no entanto, apresentaram uma alta de 0,06%, indo de 0,55% em dezembro de 2013 para 0,61% em janeiro. No acumulado dos últimos doze meses, a parcela de materiais cresceu 4,81% e o índice de mão de obra teve queda de 3,76%.

Em janeiro, a região Norte ficou com a maior variação regional do Sinapi (0,71%), seguida pelas regiões: Nordeste (0,53%), Sudeste (0,44%), Sul (0,35%) e Centro-Oeste (0,17%). Além disso, a região Sudeste, com R$ 899,11, ainda apresenta o custo mais caro por metro quadrado. Logo atrás, está o Norte (R$ 877,27), Sul (R$ 876,83), Centro-Oeste (R$ 871,05) e Nordeste (R$ 810,64).

Com relação ao acumulado nos últimos doze meses, a Região Sudeste apresentou a maior variação, 1,24%, enquanto a região Norte ficou com a mais baixa, -0,01%. Entre os estados, o Amapá registrou a maior variação mensal mais alta (3,44%) em janeiro. Segundo o IBGE, este aumento foi em função da pressão exercida pelo reajuste salarial do acordo coletivo no estado.

Com informações da Agência Brasil e Caixa

Tags: mercado imobiliário

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
05 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
23 de setembro de 2016