Captação de água das chuvas gera até 60% de economia

O sistema é uma forma sustentável de adquirir água para vasos sanitários, lavagem de calçadas e irrigação de plantas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 18/02/2015 16:17 / atualizado em 18/02/2015 16:26 CorreioWeb /Lugar Certo
Esalflores/Divulgação


Economizar água é o tema do momento. Com a realidade da crise hídrica vivida nas principais cidades do Brasil, a população busca diversas maneiras de sobreviver aos cortes e racionamentos. Para driblar o desabastecimento, uma opção é aproveitar as poucas chuvas, com a captação de água pelo telhado.

De acordo com especialistas, alguns sistemas de captação ajudam a economizar entre 30 e 60% de água e é feita por meio de calhas que escoam a água das chuvas para tubos. Desses tubos, as águas passam por dois filtros, o primeiro um gradeamento, que retém a sujeira grossa, e depois por uma tela, que filtra a poeira. Em seguida, a água é despejada em uma cisterna.

Leia mais notícias em Últimas

Esalflores/Divulgação
O engenheiro florestal e gerente da Esalflores, Milton Sanada, conta que a empresa optou pela cisterna especial capaz de armazenar 15 mil litros de água, que é utilizada nos vasos sanitários, na rega das plantas da loja e para lavar o piso, pois a água é cristalina, mas não potável. Ele ainda explica que a norma exige que o aproveitamento seja feito pelo telhado e não pelo solo, que possui contaminantes. “Por experiência, é possível economizar cerca de 30 a 60% de água. A cada 200 m² de telhado, conseguimos armazenar em períodos chuvosos até 15 mil litros. Como essa água não é potável, resolvemos utilizá-la para a manutenção da loja”, destaca o especialista.

O sistema na escala desenvolvida para o comércio pode custar até R$ 40 mil. Porém, em residências, o aparelho de captação de água da chuva custa cerca de R$ 4 mil. “É um investimento extremamente válido. Além de todo o resultado financeiro, com um consumo de água até 60% menor, estamos pensando no futuro do planeta, reaproveitando uma água que até então não tinha aproveitamento algum e que contribuía para inundações, já que os grandes centros urbanos são tomados por concreto e essa água não consegue ser absorvida corretamente pelo solo”, completa Bruno José Esperança, diretor geral do empreendimento.

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
05 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
23 de setembro de 2016