Casa própria

Imóveis na planta? Saiba como o INCC impacta no preço das parcelas

O índice pode pegar o comprador de surpresa, por isso a necessidade de entender a evolução do negócio, bem como a margem de financiamento pré-aprovada. Entenda

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 09/12/2020 14:30 / atualizado em 09/12/2020 15:24 Jéssica Mayara*
Pixabay

A compra de um imóvel na planta é quase um sonho para muitas pessoas que desejam ter a casa própria. No entanto, é preciso ter atenção no momento de fechar o negócio.

Isso porque há cláusulas e condições contratuais que, apesar de bem explicadas e apontadas pelos vendedores, não podem ser modificadas e nem reclamadas judicialmente, após a conclusão do acordo habitacional.  

É o caso da interferência do chamado Índice Nacional da Construção Civil (INCC), que aponta as mudanças de valor no setor da habitação, no preço das parcelas a serem pagas pelo comprador.

A coleta de dados é confiável, conforme avaliado pelo presidente da Associação Brasileira dos Mutuários da Habitação (ABMH), Vinícius Costa. Segundo o especialista em direito imobiliário, ela é feita mensalmente pela Fundação Getulio Vargas (FGV). 

“Para tanto, há a captação de dados em diversas capitais e as informações são referentes a materiais, mão de obra, equipamentos e outros elementos. Cada 'setor' de preço coletado tem um peso e, ao final, é obtida uma média ponderada, que é o índice que se deseja conhecer. E esse indicador, normalmente, é aplicado no saldo devedor da compra e venda e/ou nas parcelas da própria compra e venda, sendo responsável direto pelo aumento no valor do negócio e da própria prestação”, acrescenta. 

Esse aumento pode pegar, e muito, o comprador de surpresa, já que, apesar de o aumento do valor em razão da correção monetária não ser indevido, ele não é informado no momento da compra.

“Por mais que haja um pagamento maior do que aquele indicado para o imóvel quando feita a compra, se isso decorrer exclusivamente do INCC, não há abusividade”, explica Vinícius Costa.
 
Vinícius Costa, presidente da Associação Brasileira dos Mutuários da Habitação (ABMH) e especialista em direito imobiliário - Arquivo pessoal Vinícius Costa, presidente da Associação Brasileira dos Mutuários da Habitação (ABMH) e especialista em direito imobiliário
 

Vinícius Costa destaca, ainda, que o índice é responsável direto pela necessidade de um financiamento maior ou até mesmo de uma renegociação de dívida.

“Na aquisição do imóvel, o consumidor acredita que irá financiar um valor especificado no contrato. Contudo, se esse financiamento demorar a sair, ele deve ter em mente que o valor a ser financiado será maior em razão da correção aplicada pelo INCC. Se não houver margem para o aumento do valor a ser financiado pelo mutuário, a diferença entre o que foi financiado e o valor da compra e venda corrigido deverá ser pago pelo consumidor à construtora”, diz o presidente da ABMH. 

Nesse cenário, haja vista a legitimidade da correção monetária, que tem como objetivo evitar perdas ocasionadas pela inflação, é importante que o comprador esteja atento na hora de assinar um contrato e/ou fechar um acordo.

“É essencial que o consumidor entenda bem como vai funcionar a evolução da compra e já ter uma margem de financiamento pré-aprovada antes da assinatura da compra e venda, justamente para não ser pego de surpresa por uma dívida com a qual não contava”, recomenda. 

*Estagiária sob a supervisão da editora Teresa Caram 
 

Tags: casa própria imóveis na planta Correção monetária Índice Nacional da Construção Civil imóveis compra incc

Últimas notícias

ver todas
04 de março de 2021
03 de março de 2021
02 de março de 2021
01 de março de 2021
26 de fevereiro de 2021