Ímãs de geladeira dão asas à criatividade para incrementar a decoração

Em diversas estampas, cores e formas, eles são ótimas opções para compor ambientes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 19/06/2012 11:50 / atualizado em 19/06/2012 15:25 Joana Gontijo /Lugar Certo
 
Existentes em quase todas as residências, eles podem ser feitos em diversos materiais, temas, formas, cores e tamanhos, se tornando em muitos casos objetos de design. Desde que começaram a ser usados, os ímãs de geladeira se inserem na decoração da casa sem limite para a criatividade, e deixam a composição dos ambientes mais alegre e descontraída. Fabricantes pelo mundo inteiro oferecem uma enorme gama de propostas, que vai do artesanal ao tecnológico, ultrapassando os limites do eletrodoméstico para ganhar outros espaços do lar. O cuidado para aplicá-los deve ser apenas pensando na harmonia com o restante dos elementos com os quais conversam, sem excessos, e refletindo a personalidade dos moradores.

Veja mais fotos

De acordo com a designer de ambientes Dulciele Sales, os ímãs decorativos se caracterizam como peças de formatos bidimensionais ou tridimensionais que possuem colado em uma das superfícies um material cuja substância produz um campo magnético e tem a capacidade de ser aderida a qualquer outra superfície metálica. Denominada de magneto, essa substância tem sido utilizada há milhares de anos e com finalidades diversas como aplicação nas áreas medicinal, elétrica, mecânica, industrial, comercial e decorativa, diz a designer. “Dentro de casa, os ímãs têm funcionalidade variada. Podem servir de enfeite, ser usados como prendedores de recados, lista de compras, fotografias e objetos leves. Indicam o dia do mês em calendários e evidenciam compromissos numa agenda diária. E, ainda, podem conter anúncios de comércios oferecendo os itens mais consumidos pelos moradores do lugar."

O principal local de uso dos imãs é a geladeira, pois ela apresenta uma área com dimensões suficientes para exibir tais peças ou mesmo expressar o gosto artístico do morador que deseja decorar sua cozinha, além de ser um local de fácil visualização, continua Dulciele. “Por motivos equivalentes, também se justifica a utilização de imãs decorativos em outros ambientes como quarto, em um painel de fotos, no escritório, em um quadro demonstrativo de gráficos ou em um banheiro infantil, para enfeitar o espelho." Para Dulciele, qualquer objeto pode ser transformado em um ímã decorativo como, por exemplo, botões, galhos de árvore, flores artificiais, arte em tecido, pedras para bijuterias, brinquedos, tampas de refrigerantes, recorte de revistas, imagens personalizadas, dentre outros, cita.

Em relação aos materiais usados para a fabricação das peças, a designer de interiores Izabela Sanches acredita que o mercado atual é ilimitado e, na sua opinião, a única coisa a ser avaliada é o peso. De metal, EVA, vidro, cerâmica, crochê, acrílico, manta magnética, biscuit, silicone, papel maché, porcelana, plástico, borracha ou reciclados, para enumerar apenas alguns, a escolha vai da imaginação de cada um. “O que se deve levar em conta é que podemos fazer o seu ímã do jeito que quiser sem limites de forma, cores, temas ou materiais. Há opção ainda de fazer ímãs gigantes que tem a função de personalizar o espaço de um modo criativo, com custo baixo. E o que é melhor, são fáceis de serem trocados e não dependem de mão de obra especializada. Relativo aos ambientes onde podem ser aplicados, são inúmeros, entre locais comerciais ou residenciais, o que vai depender do conceito do projeto”, ressalta.

Izabela acredita que, entre os motivos retratados, as celebridades do cinema, da música e de desenho animado têm uma preferência grande no desejo do público. “Mas não podemos deixar de lado os monumentos que são referência de países. Eles se tornam inusitados quando saem da mesmice e do preconceito ou quando passam a ter uma função inesperada.” Refletindo desde nostalgia a modernidade, segundo Izabela quem coleciona os ímãs sabe que eles são símbolos que falam um pouco da vida. Para os viajantes, acabam se tornando o substituto do cartão postal, acrescenta. “A geladeira virou local de recordação, nostalgia e para muitos até de arte. E isso foi conquistado, pois o nossos queridos ímãs foram considerados por muitos, em uma época, como brega. Mas para mim é super cool.”

Segundo a designer de interiores Bárbara Brant, os ímãs de geladeira são elementos tradicionais na cozinha. “Algumas pessoas podem achar que são coisa da vovó, mas na verdade atualmente são modernos, variados e, se bem usados, formam um fator a mais na decoração. Os ímãs são decorativos, práticos, funcionais e divertidos, podendo ser usados também como suporte para recados e lembretes.” Para Bárbara, como existe uma grande diversidade, é possível mudar o visual do ambiente rapidamente e sem muito trabalho, com um objeto que pode estar na casa inteira. “Existem as tintas magnéticas que fazem com que esse democrático acessório da decoração possa ir a qualquer lugar.”

Os temas que os ímãs retratam atualmente são amplos e diversificados, aponta Bárbara Brant. “Bichinhos, frutas, docinhos, frases, bonecos, figuras de humor. Há dos mais simples aos mais sofisticados, com som e cheiro. Existem também os que fazem alusões e referências a bandas, cartoons ou estilos de vida, cinema, propagandas antigas. As formas são criativas e com bom humor. Os mais originais são bem inusitados". Para Bárbara, "o importante é cada um se sentir bem no quarto ou na cozinha, no seu espaço. Alguns adoram a geladeira coberta por imãs, outros acham kitsch. Uma sugestão é montar uma composição equilibrada e organizada. Um ímã mais estilizado e com design original é acerto garantido na decoração."

A designer diz que é bom ter bom senso e cuidado com o excessos, já que, a não ser que seja uma composição mais conceitual combinando com o dono da casa, pode comprometer a harmonia e o conforto visual do espaço. “Eles conferem um clima divertido, como os que fazem referência a grandes personagens, moderno, com os de design original, e inovador ou íntimo, com fotos e recordações de família.”

Na visão da arquiteta Giselle Madeira, os ímãs são ícones na decoração, alegrando os ambientes. Ela diz que alguns podem achar que estão fora de moda, mas deve-se saber usá-los para evitar a poluição visual e a desarmonia. “O interessante é fazer uma composição com ímãs, sem misturar os comerciais com telefones e endereços com os decorativos no mesmo lugar. Para não correr o risco de errar, é importante escolher um tema específico, seja ele infantil, de humor, de símbolos da cozinha, de lembranças de viagem, entre outros.”

Dica é não lotar a geladeira
Como destaca Giselle Madeira, além da geladeira, os ímãs podem ser usados em armários metálicos, painéis de foto, puxadores, esquadrias de janelas, estações de trabalho e até maçanetas. Saber escolher os motivos, materiais e cores é fundamental para a harmonia com a decoração da casa, de acordo com a arquiteta. Ela indica não lotar a geladeira com eles, assim sempre será possível visualizar um todo e não cada um. “Para se transformar em objetos de design, podem ser peças exclusivas, assinada por um artista ou quando for um objeto singular que se destaque, como as propostas seguindo a tendência vintage que está em alta. Os ímãs levam ao ambiente uma atmosfera divertida.”

Atualmente, os ímãs são muito procurados para compor lembranças de aniversário, nascimento de bebês, bodas, além da divulgação de empresas, explica a designer de interiores Élian Pérsia. “Podem ser inusitados de diversas maneiras, depende de onde a criatividade pode chegar. Por exemplo, em um mural de fotos que são fixadas apenas com os ímãs, dando a sensação de que elas estão flutuando. Serão espaços despojados, criativos e alegres.” Élian diz que os ímãs podem ser usados de várias maneiras, como por exemplo, em um painel no escritório com ímãs das cidades que o morador conheceu em viagens; na cozinha para fixar talheres; no quarto das crianças escrevendo o nome delas ou de um personagem. “Uma novidade é a possibilidade de transformar em um objeto magnetizado as fotos preferidas tiradas pelo Instagram refletindo a personalidade do seu dono.”

Para usá-los de forma harmoniosa com o restante da decoração, não há regras, na opinião da designer de interiores Christiana Gontijo. “Depende da proposta, do astral e do estilo de vida. Bom gosto e bom senso. É como uma t-shirt da sua banda de rock favorita: tem que ser verdadeiro e ser a sua cara.” Para a designer de interiores Valderez Andrade e a arquiteta Carolina Andrade, a versatilidade dos ímãs é enorme, aparecendo em painéis imantados colocados em quartos ou escritórios, e podem ganhar um toque mais sóbrio ou mais descompromissado, de acordo com o ambiente. “É o toque lúdico na decoração. Até mesmo aquela pessoa que pensou em todos os detalhes da cozinha, com os utensílios seguindo um mesmo padrão de cor, pode começar a ver sua geladeira invadida por pequenos ímãs, promocionais ou não.”

Memória
A designer de interiores Izabela Sanches explica que letras de plástico ligados a pequenos e grossos ímãs retangulares foram fabricadas pelo menos desde a década de 1960, e comercializadas como um produto educacional para crianças pequenas. “É relatado que a primeira patente de ímã de geladeira foi obtido por William Zimmerman de St. Louis, Missouri , no início de 1970. Zimmerman patenteou a ideia de pequenos ímãs coloridos com desenhos animados para serem usados como objetos decorativos nas áreas de convivência”, afirma.

Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
05 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
23 de setembro de 2016