O mais amado canto da casa

Quarto é muito mais que um ambiente, ele pode ser um retorno para onde a pessoa se sente segura e acolhida. Para tanto, é possível usar alguns truques de decoração a fim de tornar esta interação mais harmônica

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 10/01/2013 11:45 / atualizado em 10/01/2013 11:52 CorreioWeb /Lugar Certo

Aquele cantinho especial de aconchego, conforto, onde você se sente você mesmo e pensa ser o melhor lugar do mundo depois de voltar de viagem. Ambiente tão disputado por irmãos e defendido dos pais, em que a privacidade e o aconchego falam mais alto. Sim, estamos falando do quarto.

 

Quarto deve ser ao mesmo tempo acolhedor e privado. Uso de cores neutras pode ajudar a dar essa sensação - Carlos Moura/CB/D.A Press Quarto deve ser ao mesmo tempo acolhedor e privado. Uso de cores neutras pode ajudar a dar essa sensação

 

Para o psicanalista Juan Brandt, o quarto é o lugar para estar consigo mesmo e se sentir bem. É, ainda, um reduto e a última proteção que as pessoas encontram, pois representa a complementação de dois extremos da vida: a paz e o prazer.

Como ele deve ser?

De acordo com o professor de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (UnB), Frederico Flósculo, o quarto ideal é aquele onde você descansa, estuda, namora e tem a própria higiene pessoal. Obviamente, não há manual a ser seguido. Entretanto, existem algumas recomendações a fim de proporcionar mais conforto e praticidade no dia a dia.

Em primeiro lugar, a porta de entrada do ambiente não deve bater na cama ou nos móveis. É muito importante garantir um bom espaço livre para circulação. Se for suíte, a porta deve estar alinhada à do banheiro. Já as tomadas devem estar posicionadas de forma que os eletroeletrônicos possam ser usados e guardados de forma agradável.

 

Aproveitar a luz natural é o ideal. Ela preza o conforto e uma relação saudável com o sol e a natureza - Zuleika de Souza/CB/D.A Press Aproveitar a luz natural é o ideal. Ela preza o conforto e uma relação saudável com o sol e a natureza

 

Boa ventilação e iluminação são imprescindíveis. Portanto, invista em janelas grandes com proteção contra o excesso de sol e vento. Para isso, é preciso uma boa cortina ou persiana. Uma nota fundamental é a de que a janela deve sempre ficar na parede de maior dimensão e a cama deve ser posicionada, preferencialmente, de forma paralela à mesma.

Para a segurança de idosos, é preciso ter um projeto de iluminação diferenciado e pontos de luz nos cantos do quarto e do corredor. Piso de fácil limpeza, além de antiderrapante, e barras de apoio nas paredes também são fundamentais.

É hora de decorar

Todo quarto tem um quê do dono e remete às preferências ao ser personalizado de alguma maneira. O psicanalista Juan Brandt afirma, porém, que a decoração e cores usadas podem não necessariamente revelar a personalidade de uma pessoa. “Pode-se ter muitas cores vivas e alegres no quarto, mas, na verdade, a pessoa as utiliza como um confronto ou escape para encobrir o que realmente sente”, explica.

A maioria das pessoas se sente mais confortável com cores próximas à cor de pele. Para tanto, ocre, bege, creme, tons terrosos e neutros podem ser usados à vontade por serem pouco agressivos aos olhos. Outras cores entram como alterações ao longo da vida, como homenagens aos sentimentos. “Quanto a isso, a cultura brasileira é bem conservadora. Aqui é pouco usual mudar muito as cores, mas é bom fazer renovações”, ressalta Flósculo.

A decoração em si vai de acordo com o estilo pessoal. Os objetos que compõe o quarto devem ser ‘a cara da pessoa’ e evocar emoções. Afinal, lembranças são sinal de saúde mental. “Os enfeites, por assim dizer, servem como um feedback biológico e social. É preciso se alimentar de novo do que te faz feliz”, complementa.

 

Porta-retratos e objetos que remetem aos gostos da pessoa podem criar um clima mais intimista - Carlos Moura/CB/D.A Press Porta-retratos e objetos que remetem aos gostos da pessoa podem criar um clima mais intimista

 

Um fato curioso é o de que, segundo Flósculo, meninas de classes sociais menos favorecidas têm mais liberdade ao decorar o quarto. “Já os quartos da classe alta são tremendamente padronizados”, diz.

Um pouquinho de história

Nem sempre os quartos foram do jeito como os conhecemos hoje. Os quartos ocidentais não têm nem 200 anos de existência. Para o professor de arquitetura, uma pessoa pode considerar esses ambientes tão modernos quanto aviões, pois, antigamente, a sociedade em geral não tinha quartos individuais.

“Eles eram privilégio da aristocracia que queria uma separação do povo, realmente mostrar superioridade em relação aos outros. Quem não era da classe social mais alta compartilhava tudo e a casa girava em torno de uma coisa só, como a lareira, por exemplo”, comenta Flósculo.

Tags:

Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
05 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
23 de setembro de 2016