Eu faço, tu fazes, ela faz...

Além de tendência, o "faça você mesmo" é um hobby. Não tenha medo de renovar a decoração customizando peças antigas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 06/05/2013 08:00 / atualizado em 06/05/2013 18:34 Da Redação - Correio Braziliense
Janine Moraes/CB/D.A Press
 
A tendência do it yourself (em português, “faça você mesmo”) não é algo novo, mas a cada dia ganha mais adeptos. Na internet, redes sociais, como a Pinterest (de compartilhamento de imagens), motivam novos usuários a customizar armários, cadeiras, gaveteiros etc. Em geral, decorar a casa é caro, mas os gastos caem bastante se há disposição para dar cara nova ao mobiliário antigo. Além da economia, a reforma proporciona a sensação gratificante de ver uma peça que você mesmo produziu, com seu toque pessoal.

Para o publicitário Eduardo Mendes, 31 anos, a mudança para uma nova casa foi o pretexto para reformar seus objetos e deixar a casa com seu estilo. “Tive que me mudar por causa dos meus cachorros. Como a casa é grande, vi nela um painel em branco no qual eu poderia criar e deixar tudo do meu jeito”, diz. Eduardo é dono do blog Homens de Casa. A ideia da página surgiu após pesquisas de decoração na internet e a constatação da falta de informação direcionada ao público masculino. “Com as pesquisas, vieram as ideias e eu comecei a registrar os resultados, logo surgiu conteúdo para manter um blog”, lembra Eduardo.

Vitória Richter, 23, é outra blogueira do estilo faça você mesmo, dona do blog Casa e Décor, ela conta que sempre gostou de folhear revistas de decoração e se imaginar naqueles ambientes produzidos. “Eu e minha família tínhamos acabado de nos mudar para uma casa antiga, que precisava de reparos. Como não queríamos reformá-la, precisávamos de ideias criativas para deixá-la charmosa e aconchegante.” Em 2010, ela resolveu criar a página sobre decoração. Recentemente, ela se mudou com o noivo para uma nova casa e agora tem a missão de organizar o lar. “Além do desafio de decorar meu próprio espaço, o blog é uma forma de criar um banco de dados para mim”, afirma a jovem.

Mas nem tudo são flores. Eduardo Mendes revela que, quando reformou o primeiro móvel, percebeu que o objeto havia ficado com um péssimo acabamento. “Reformei uma cômoda que ficou péssima. Além disso, a tinta começou a descascar toda.” Essa experiência virou um aprendizado que ele resolveu dividir no blog. “Coloquei no ar um passo a passo de como não reformar um móvel, e teve muito retorno dos leitores”, lembra. Além de projetos que não terminam bem, Eduardo relata que, durante a reforma, costuma se sujar ou até se cortar. “Apesar de pensarem o contrário, sou bem estabanado. Quando termino algum projeto, estou todo sujo de tinta, com roxo em algum lugar ou com algum dedo cortado.”

“Reformei a casa toda”

Cláudia França, 52 anos, coordenadora de eventos, sempre gostou de artesanato e tarefas manuais. “Toda vez que tinha um tempinho livre, reformava algum objeto”, conta, mostrando a mesa de centro. Não só a mesa de centro foi repaginada, Cláudia mexeu nas paredes, nas cômodas, nos estofados das cadeiras da mesa de jantar… Para customizar os móveis, Cláudia diz que busca inspiração em revistas de decoração e blogs na internet. “Não tenho um blog específico, eu pesquiso sobre o móvel que quero reformar e vejo imagens no Pinterest.”
Para Cláudia, reformar os próprios móveis é um prazer, mas não deixa de pesar o lado financeiro. “Eu faço por gostar de fazer, mas o lado financeiro também pesa. Sai mais barato reformar a mesinha que comprar uma nova”, afirma.

Por conta do trabalho fora de casa, Cláudia conta que não tem muito tempo para o hobby, por isso a restauração dos móveis fica restrita ao período de férias, mas, enquanto não está reformando, está buscando inspiração. “Já estou pesquisando referências na internet e, em breve, vou refomar uma mesa que está desgastada”, diz.
Os blogueiros contam que o principal impasse para quem deseja reformar os móveis é o receio de fazer errado. “As pessoas tendem a ter medo de pintar e reformar seus móveis. Não conseguem imaginar o resultado final e isso limita um pouco o trabalho”, diz Vitória. Cláudia França conta que, para começar a reformar os móveis, é preciso força de vontade: “Reformar uma mesa de centro, fazendo pátina, por exemplo, não é complicado, mas exige trabalho e tempo”.


Eduardo Mendes/Divulgação
 
Eduardo Mendes/Divulgação
 
 
 
Pátina em madeira

Trata-se de uma técnica muito usada para restaurar móveis de madeira. Ela consiste em um aplicação de tinta e de palha de aço que gera um aspecto envelhecido e charmoso ao móvel.

Material
l tinta látex branca
l tinta látex de uma cor da sua escolha
l massa corrida (de parede)
l verniz incolor
l 2 rolos para pintar
l 1 espátula
l 1 palha de aço
l lixas nº 160
l lixas nº 180

*A quantidade de materiais depende do tamanho do móvel a ser reformado.

Como fazer
l Se possível, separe os móveis em partes para facilitar a aplicação. Com a lixa nº 160, retire todo o verniz ou o selante que o móvel possa ter.
l Limpe o móvel com um pano. Com a espátula, corrija todas as imperfeições do móvel usando massa corrida e deixe secar por aproximadamente quatro horas.
l Após a secagem da massa, nivele as superfícies do móvel com uma lixa nº 180 e retire todo o pó com um pano.
l Com o rolo, passe uma demão de tinta látex branca, deixe secar por duas horas e passe uma segunda demão. Espere secar.
l Pinte o móvel com a cor escolhida, sempre no mesmo sentido.
l Com a tinta ainda fresca, esfregue uma palha de aço uma vez, no mesmo sentido, retirando o excesso de tinta. Faça esse procedimento em todas as partes do móvel, sempre no mesmo sentido.
l Após todo esse procedimento, faça uma demão de verniz, espere secar e realize outra demão.

Tags: brasil

Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
05 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
23 de setembro de 2016