Ver filmes como se estivesse em uma sala de exibição demanda planejamento

Compra de aparelhos de qualidade também é essencial para garantir boas horas de diversão para a família

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 03/06/2013 08:00 / atualizado em 29/05/2013 09:20 Júnia Leticia /Estado de Minas
Eduardo de Almeida / RA Studio
 
Os avanços tecnológicos têm propiciado inúmeros benefícios em diversas áreas. Uma delas é o entretenimento, que ganha mais conforto com recursos e soluções que chegaram aos ambientes internos. Assim, uma sala de cinema em casa, espaço que garante diversão e relaxamento para toda a família e amigos, tem lugar de destaque em muitas residências. Mas para que se possa aproveitar ao máximo esse ambiente, é necessário conhecer o que há disponível no mercado e seguir algumas recomendações.

De acordo com a arquiteta Renata Esperança, ter uma verdadeira sala de cinema em casa requer bons aparelhos eletrônicos aliados a um projeto arquitetônico, planejado de acordo com as necessidades dos frequentadores do local. “A imagem e o som devem ser pensados de forma a criar uma atmosfera agradável e que envolva o usuário.”

A dimensão da tela, sua localização e a acústica adequada demandam planejamento conforme o espaço, podendo agregar um living ou uma sala de jantar a um home theater, como diz Renata. “A tela de projeção exige um espaço que a transforme no ponto-chave do ambiente, que pode ser um painel, um nicho ou apenas suspensa na parede principal.”

Recursos como painel de espelho para camuflar a TV e rebaixamento de gesso no teto para embutir caixas de som, fiação e até mesmo a tela de projeção são algumas das soluções que podem ser utilizadas no espaço, enumera Renata. Existem até sofás que interagem com o som ambiente por meio de sistema de vibração.

O arquiteto Evaldo Rios conta que a utilização dos vários recursos e soluções vai variar em função do espaço disponível para o projeto e o orçamento. “Podem ser usada TVs de várias dimensões ou até o sistema de projeção em telão (este para espaços maiores). Para ter uma verdadeira sala de cinema em casa, deve-se pensar em vários itens: móveis adequados e confortáveis, ambiente com boa qualidade acústica, iluminação correta e controlável, além da estética.”

Como uma boa imagem é essencial, a arquiteta Adriana Morávia destaca o uso de projetores ou televisores com tecnologia HD e 3D, com qualidade de som planejada para o ambiente. “Recomenda-se, ainda, a utilização de materiais que ajudem na acústica do ambiente – como tapetes, painéis estofados e forros especiais – e um controle da iluminação natural, com cortinas e persianas, aliado a um bom projeto luminotécnico. Por fim, o conforto de ter todo o controle integrado da sala por automação.”

Conforto

Poltronas e sofás (especialmente os retráteis) não podem faltar, como destaca Adriana. “Também compõem o ambiente chaises longs, almofadões, pufes, mesas de apoio, estantes e racks com painéis planejados para receber os equipamentos (TVs, receiver, blu-ray, caixas acústicas e subwoofer)”, indica.

Para Renata Esperança, o imprescindível para um projeto de home theater é o conforto do sofá. “A preferência do cliente deve ser levada em consideração quanto ao tipo de assento e encosto, podendo ser macio ou firme. Sofás de molas no assento são ótimas soluções, aliados a sistemas retráteis no assento e reclináveis no encosto, que ajudam o usuário a se acomodar melhor.”

Mesa lateral e de centro para apoio de copos, taças, controles e outros objetos ajudam na comodidade do espaço, segundo Renata Esperança. E para trazer mais aconchego, ela diz que o tapete é um grande aliado, além de auxiliar na acústica. Tudo isso tem de estar conjugado com a estética, que não pode ser comprometidas por fios soltos. “Os aparelhos eletrônicos muitas vezes poluem o ambiente por terem muitos fios. Para resolver isso, eles podem ficar concentrados em um rack ou nichos com portas.”

Qualidade em cada ambiente
 
Uso de telões para projeção vai depender da distância mínima recomendada pelo fabricante dos aparelhos, segundo a arquiteta Adriana Morávia - Eduardo de Almeida / RA Studio Uso de telões para projeção vai depender da distância mínima recomendada pelo fabricante dos aparelhos, segundo a arquiteta Adriana Morávia
 

Traçar o perfil de sua sala de cinema é o primeiro passo. Com ajuda de profissionais, fica fácil e bem mais econômico preparar o local e ir às compras de eletroeletrônicos

Por mais que haja no mercado diversos tipos de TVs atualmente, para os aficionados em cinema que querem que o ambiente em casa seja considerado realmente uma sala digna de exibir as maravilhas da sétima arte, investir em um projetor é essencial, segundo o diretor comercial da Live Automação, Lourenço Roldão. “A imagem projetada é mais natural e agradável quando usada corretamente”, justifica.

De acordo com ele, outro aspecto fundamental é usar uma tela formato 2.35:1 ou cinemascope. “Há anos as grandes produções do cinema internacional são rodadas nesse formato, que proporciona uma visão mais panorâmica e valoriza muito as cenas. As TVs atuais, com proporção de tela 16:9, reproduzem esses filmes com barras pretas em cima e embaixo, prejudicando a experiência”, explica Roldão.

É fundamental, também, ter processadores, amplificadores e caixas de som específicos para promover uma verdadeira imersão e causar o impacto que se tem numa sala profissional de cinema. “É imprescindível fazer um trabalho de tratamento acústico correto na sala para que o som soe como foi gravado e que não ocorram interferências de ruídos externos.”

Para que tudo seja confortavelmente operado pelo usuário do espaço, Roldão ressalta a importância de que seja desenvolvido um trabalho de integração dos sistemas de áudio, vídeo, ar-condicionado, cortinas e iluminação. “Isso pode ser viabilizado por meio de um sistema de automação prático e direto, que mesmo quem não tenha muita habilidade com a tecnologia possa operar.”

Tamanho Certo
 
Apesar dessas especificações, para quem quiser um projeto mais compacto, a arquiteta Renata Esperança afirma ser possível transformar uma sala de oito metros quadrados em um home cinema agradável e aconchegante. “O que vai nortear o projeto é a dimensão dos seus componentes, como sofá e tela de projeção, principalmente. Telas embutidas em gesso, sofás retráteis e reclináveis, painéis e nichos suspensos para a TV ou tela e aparelhos eletrônicos são as soluções mais apropriadas para um imóvel pequeno.”
 
Recorrer a projetores embutidos, acionados por controle remoto, garante a boa estética da decoração - Eduardo de Almeida / RA Studio Recorrer a projetores embutidos, acionados por controle remoto, garante a boa estética da decoração
 
Para o arquiteto Evaldo Rios, quando o ambiente é pequeno a limitação fica nas dimensões da TV a ser utilizada. “Nesses espaços, os telões não são recomendados. Pode-se ter um bom home cinema, confortável e com excelente qualidade de som e imagem se ele for devidamente projetado. Para o espaço pequeno, as TVs de LED de alta definição são as mais indicadas, além de um único sofá e rack compacto. Assim, teremos a sensação de amplitude mesmo em área reduzida.”

Em cômodos de até 10 metros quadrados é possível montar um home theater, segundo a arquiteta Adriana Morávia. “Mas, no geral, a maioria das salas costuma ter entre 15m2 e 20m2. Segundo especialistas, para obter o tamanho ideal da tela, divida o comprimento do ambiente por 4.5. Ou seja, se o ambiente tiver 6m, a altura da tela deve ser de 1,33m. Já os projetores exigem distâncias mínimas ou máximas, mas cada modelo tem sua especificação. A distância não é padrão nem na mesma marca.”

Para salas pequenas, TVs com resolução full HD são mais indicados, por apresentarem menor distância entre os pixels, como indica Adriana. “Quando a tela fica presa em um painel na parede, é possível aumentar ainda mais a distância em relação ao sofá, o que é sempre bem-vindo em ambientes compactos.”

As caixas embutidas, fabricadas para privilegiar acima de tudo o visual da sala, completam as alternativas que otimizam o espaço. Há, ainda, modelos motorizados de telas que descem do teto apenas nas sessões de filmes, formando um ângulo de até 45 graus com o forro de gesso. “Existem também as caixas de embutir na alvenaria, que acompanham o mesmo visual e profundidade das TVs de tela fina, e surgem como excelente alternativa para economizar espaço, além de deixar a sala moderna, leve e bonita”, diz a arquiteta.

TOME NOTA
Confira algumas dicas para projetar uma sala de cinema em casa

» Investir no tratamento acústico da sala garante boas horas de diversão, inclusive sem incomodar vizinhos

» Pesquisar e comparar especificações técnicas e configurações dos aparelhos de áudio e imagem que serão comprados

» Se for instalá-lo, procure comprar um ar-condicionado com baixo nível de ruído

» Planeje a iluminação do ambiente: excesso ou ausência total de luz não são recomendados

» Escolha ou encomende móvel sob medida para receber os equipamentos

» Compre um sofá confortável e que caiba todos os convidados

» Busque sistemas de automação para facilitar o comando dos aparelhos ou invista em aplicativos para smartphone que possam facilitar o controle total de sua sala de cinema

Planeje antes de comprar

Conhecidos os itens necessários para criar uma sala de cinema, para partir para o projeto é preciso seguir alguns critérios antes de executá-lo. O primeiro passo, segundo Adriana Morávia, é eleger o espaço e a tela. O próximo é a central de mídia de alta qualidade. O receiver é o responsável por ligar todos os equipamentos ao sistema de som. “Ele faz a distribuição de som para as caixas. São necessárias no mínimo seis caixas acústicas para um sistema 5.1: duas frontais, uma central para os diálogos, duas traseiras para os efeitos surround e o subwoofer, responsável pelos sons graves dos musicais, filmes e esportes.”
 
Escolher móveis confortáveis é essencial para ter boas horas de diversão com a família e com os amigos - Edvaldo Rios Escolher móveis confortáveis é essencial para ter boas horas de diversão com a família e com os amigos
 
 
Renata Esperança observa que o mercado vem se transformando e trazendo novidades constantemente. “Pode ser que o que é mais moderno hoje não seja na próxima semana. Mas o mercado atualmente tem disponível a automação de todos os componentes desse ambiente, controle total da cena a ser criada, com regulagem da abertura de cortinas e janelas, intensidade do som, resolução da tela de projeção, telas 3D, vibração da poltrona de assento de acordo com o som, intensidade da iluminação e outros.”

Tecnologia

Mas o mais funcional e também mais barato são a tela de LED full HD, DVD player e blu-ray player para reprodução e caixas acústicas. Para quem quer seguir tendências, Adriana Morávia indica o uso de caixas de embutir no teto. Há ainda as “Telas elétricas que transformam simples salas em home cinemas em segundos, a integração de aparelhos para melhor experiência com as locadoras de filmes on-line, TVs ultrafinas, painéis que camuflam o televisor e controle integrado de todos os equipamentos eletrônicos via iPad, iPhone ou dispositivos com Android.”

Lourenço Roldão lembra que “Já existem nos Estados Unidos equipamentos que permitem que você baixe e assista a filmes no mesmo dia em que são lançados nas salas de cinema, a um custo inicial (equipamentos) de US$ 50 mil e R$ 500 por filme. Esse tipo de projeto personalizado de home cinema tem sempre um preço mais elevado, mas vale o investimento.”

Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
05 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
23 de setembro de 2016