Escadas flutuantes interrompem a realidade e mudam a perspectiva de espaço

Instalações de estúdio suíço mostram degraus que não levam a lugar algum e, por isso mesmo, carregam beleza artística peculiar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 26/12/2013 08:00 / atualizado em 06/12/2013 15:40 Joana Gontijo /Lugar Certo
Lang Baumann/Divulgação

Misteriosos lances de escada flutuam plenos no ar ou formam corredores externos suspensos nesta série de instalações de um estúdio suíço. São estruturas arquitetônicas e artísticas capazes de interromper a realidade, levadas por um movimento criativo que faz o percurso por elas algo onírico e improvável, encarado em novas perspectivas. Em Beautiful Steps, a dupla do escritório Lang Baumann cria, com os degraus que partem e deságuam no nada, desenhos tão incomuns quanto belos, quebrando paradigmas e fazendo profunda a interação com o espectador.

Veja mais fotos das escadas do projeto Beautiful Steps


Na Áustria, Sabina Lang e Daniel Baumann conceberam uma escadaria de madeira branca em curva que fica no meio do hall do barroco Trautenfels Castle. Elevada por cabos invisíveis e em alguns pontos entortada, a estrutura nasce em contraposição direta entre o aspecto magro e a superfície clara com os afrescos ricamente coloridos no teto. Os arquitetos também construíram uma passarela projetada no ar que circula o lado de fora do castelo, como um laço em volta da fachada do edifício. A passagem surge da ligação de duas escadas que sobem em ângulos retos e saem por duas janelas, perto da torre, complementada por elementos esculturais que formam um círculo completo.
Lang Baumann/Divulgação


Uma escada de alumínio conectada por portas falsas foi instalada por fora e no alto de um prédio em Biel-Bienne, na Suíça. A construção tem um truque para a percepção. A rede das janelas que compõe a ampla parede de vidro não coincide com a altura do teto dos pisos, fazendo o edifício parecer muito mais alto do que os seus reais 50 metros, e dar a impressão de um arranha céu. Os artistas lançaram mão de uma escala menor do que o tamanho comum das portas e janelas, e acentuaram a ilusão. A obra brinca com o imaginário.
Lang Baumann/Divulgação


Lang Baumann/Divulgação
Outra escada em caracol, um tanto torta, montada entre o piso e o teto de uma galeria de arte, é a atração em Paris. Na Galerie Loevenbruck, os degraus também aplicados em escala inferior que o normal fazem do aspecto funcional da escada algo ainda mais distante. A partir de peças modulares, a instalação pode ser ajustada para diferentes alturas, adicionando ou subtraindo etapas .

Em um gramado da cidade suíça de Lausanne, em arco, o fragmento de uma escada circular impossivelmente torcida se levanta do chão e leva a lugar nenhum. Embora imperceptivelmente ancorada no chão, a escultura em aço inoxidável fica em pé por conta própria, parecendo ilógica. O primeiro degrau é horizontal e paralelo ao solo, mas a cada um sucessivo a escada se contorna nos torques que a projetam para longe do seu eixo original, chegando à diferença de 5 graus, até que ela alcança o céu em um ângulo agudo.


Mais uma escada na Argentina, suspensa e vacilante, faz parte do trabalho dentro do museu Fundação Proa, em Buenos Aires. Outras estruturas não usuais em destaque neste projeto incluem o conceito de um desenho baseado na espinha dorsal de uma baleia e uma escadaria elevada que desce por degraus internos e chega a um balcão de cozinha.


Com Beautiful Steps, Sabina e Daniel, que trabalham juntos desde 1990 e agora estão baseados em Burgdorf, na Suíça, permitem compreender e expandir o verdadeiro sentido de espaço, em busca deste efeito ideal que transborda os padrões e fornece, para a experiência estética, um trânsito contínuo entre pontos de vistas.


Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
05 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
23 de setembro de 2016