Rodapé é alçado ao posto de elemento decorativo

Usado para arrematar acabamento do piso nas paredes, ele ganha destaque nos projetos, podendo se transformar em peça-chave numa sala de estar ou jantar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 07/01/2014 08:01 Paula Takahashi /Estado de Minas
Portobello/Divulgação
 
 
Elemento indispensável em qualquer ambiente da casa, os rodapés são, na maioria das vezes, encarados apenas como acessório. Para os mais práticos, basta optar pelo mesmo material do piso e está feita a escolha. Mas o item que originalmente é utilizado para proteger a base da parede e esconder as imperfeições de acabamento do piso pode ganhar ares de protagonista. Com alturas que variam de 10cm a incríveis 50cm, os rodapés ganham versatilidade e integram a lista de elementos decorativos que devem ser escolhidos a dedo, principalmente diante da variedade de materiais.

A arquiteta Estela Netto garante que a peça costuma ser democrática e não há muitas regras a serem seguidas, desde que usando o bom senso. “É fundamental avaliar o ambiente como um todo, o que inclui a cor e material do piso, os alisares das portas e o restante do revestimento da parede”, orienta. Ao contrário do que se convencionou, versões mais altas do revestimento não estão limitadas a grandes espaços. “Já usei em um lavabo rodapé de 50 centímetros”, afirma Estela.

O designer de interiores da Lider Interiores Rafael Cândido alerta para a altura do pé-direito, fator que deve sim ser considerado nessa situação. “Áreas com pé-direito muito baixo podem ficar ainda mais achatadas no caso de usar rodapés muito altos. Por isso, o ideal é que tenha pelo menos três metros para que essas versões maiores sejam aplicadas”, orienta Rafael.
 
Portobello/Divulgação
 
 
Uma dica da arquiteta Estela Netto para evitar a sensação de espaço fechado e reduzido é casar as cores da parede e do rodapé, que, além de semelhantes, devem seguir o mesmo tom. “Ele praticamente vai se misturar à parede, dando ideia de continuidade”, observa. A intenção ao adotar as peças mais altas é de transmitir mais luxo e sofisticação ao ambiente, mensagens que devem ser corroboradas pelo restante da decoração.

Em contraponto, há as opções mais baixas e até embutidas. “Os perfis de alumínio têm poucos centímetros e são embutidos. Eles não ficam aparentes e dão a sensação de que a parede está solta”, explica Estela. Versáteis, os perfis podem ser usados com vários tipos de piso, entre eles a madeira, mármore e até o cimento queimado. “A vantagem é que ele interfere menos na decoração”, reconhece a arquiteta.

Dicas

Para o caso da madeira, é preciso mais cuidado. “Esses pisos costumam ser mais irregulares. Nesse caso, se o rodapé for muito fino pode deixar à mostra as imperfeições da madeira”, alerta Estela Netto. Para casar com a madeira há ainda as opções de rodapés em PVC. “Eles dão a aparência de laqueado, que é lindo. Pode ser aplicado em branco, que quebra um pouco o tom da madeira ao longo do cômodo.”

Para quem quer fugir do convencional, alternar cores e materiais do piso e do rodapé é uma ótima alternativa. Mas, para isso, é preciso um projeto bem pensado para garantir a harmonia do cômodo. “Se não é para combinar com o piso e a parede, o rodapé pode casar com outro elemento do ambiente, como a madeira de um mobiliário, por exemplo”, afirma o designer Rafael Cândido. Para quem não abre mão do rodapé de madeira mesmo com o piso em pedra, a dica é casar o material e a tonalidade com os alisares das portas.
 
Portobello/Divulgação
 

Tags: decoração

Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
05 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
23 de setembro de 2016