Piscina de condomínio exige manutenção e cuidados especiais no verão

Condomínios devem ficar atentos à qualidade da água para evitar doenças como micoses, conjuntivite e hepatite entre os moradores

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 28/01/2014 08:00 / atualizado em 21/01/2014 14:41 Diane Lourenço /Correioweb
No período de férias e verão, a manutenção física e tratamento adequado da água nos condomínios é responsabilidade do sindico e moradores - Zuleika de Souza/CB/D.A Press No período de férias e verão, a manutenção física e tratamento adequado da água nos condomínios é responsabilidade do sindico e moradores

Assim como nos clubes onde as piscinas coletivas precisam passar por manutenção física e tratamento adequado da água, nos condomínios, os síndicos precisam ficar atentos aos cuidados necessários. No verão, a atenção deve ser redobrada, pois a incidência de doenças aumenta. Entre as de mais comuns estão as micoses, conjuntivites, otites, hepatite e inflamações em regiões mais sensíveis. O período é quente e o calor colabora com a propagação de bactérias, aliado a isso, estão as férias escolares, que facilitam o contágio pelas crianças.

Os cuidados com a água e com a infraestrutura da piscina é responsabilidade dos síndicos. Entre os cuidados está o funcionamento adequado do motor, bomba e sistema de filtragem. Além disso, os tratamentos químicos da água devem estar aliados às recomendações técnicas e específicas para o bom funcionamento da área de lazer coletivo.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Condomínios Residenciais e Comerciais do Distrito Federal (Sindicondomínio/DF), José Geraldo Pimentel, o síndico tem como responsabilidade debater e apresentar soluções para o aval dos moradores. “No caso de condomínios residenciais, o síndico deve consultar primeiro uma empresa especializada, solicitar o orçamento e aprová-lo em assembleia para que possa ser feito o serviço”, destaca.

A limpeza deve ser contínua e moradores devem colaborar em não usar óleos e nadar infectado por doenças - Gustavo Moreno/CB/D.A Press A limpeza deve ser contínua e moradores devem colaborar em não usar óleos e nadar infectado por doenças


Limpeza

Diversos problemas de saúde podem surgir quando o tratamento da água não é feito de maneira adequada. Embora a manutenção seja primordial para o uso comum da piscina, é preciso que os moradores tenham bom senso para desfrutar desse lazer. Óleos e bronzeadores prejudicam bastante o tratamento da água. Também é importante que os moradores e visitantes não usem a piscina em casos de doenças de pele e outras infecções transmissíveis pela água.

Para retirar as sujeiras como folhas e insetos, que ficam sob a água é necessário e peneirar a piscina diariamente. Aliado a isso, a aspiração para remover as sujeiras do fundo, deve ser feita com intervalo de um dia e a escovação das bordas a cada 15 dias. A oleosidade da água, provocada por bronzeadores e protetores, pode ser atenuada com o uso de eliminadores de oleosidades, encontrados em lojas especializadas. Já a medição de PH, alcalinidade e cloro deve ser feita diariamente em edifícios e semanalmente em residências.

Tags: imóvel

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
05 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
23 de setembro de 2016