Índice de reajuste dos contratos de aluguel desacelera em fevereiro

Voltou a perder força em fevereiro, com variação de 0,38% ante 0,48% em janeiro, porém, ficou acima da taxa registrada em no mesmo período do ano passado (0,29%)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 27/02/2014 09:54 / atualizado em 27/02/2014 11:13 Agência Brasil
A apuração feita pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas indica decréscimos nos três componentes da taxa - Sedhab/Divulgação A apuração feita pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas indica decréscimos nos três componentes da taxa

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) voltou a perder força, em fevereiro, com variação de 0,38% ante 0,48%, em janeiro. Porém, ficou acima da taxa registrada em igual mês do ano passado (0,29%) e atingiu no acumulado de 12 meses alta de 5,76%, índice utilizado como base de cálculo em renovações de contratos de aluguel. Em janeiro, o IGP-M acumulado alcançou 5,66%. Nesse primeiro bimestre, o índice está em 0,87%.

A apuração feita pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV) indica decréscimos nos três componentes da taxa. O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) teve alta de 0,27% ante 0,31%; o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) passou de 0,87% para 0,7% e o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) atingiu 0,44% ante 0,7%.

Entre as contribuições para a redução no ritmo de alta do IGP-M está a queda de 0,43% no grupo matérias-primas brutas que mede as oscilações de itens no setor atacadista entre os quais as commodities, produtos com cotação no mercado internacional, caso do minério de ferro (de 1,98% para 0,73%) e da soja em grão (de -5,38% para -6,38%). Também houve recuo no preço das aves (de 0,24% para -3,49%).

Em sentido oposto, aumentaram os preços do leite in natura (de -6,84% para -0,9%); da laranja (de 4,16% para 12,48%) e do trigo em grão (de -2,85% para -0,71%).

No comércio varejista, as maiores influências para o decréscimo partiram dos grupos alimentação (de 1,06% para 0,49%) e educação, leitura e recreação (de 2,92% para 1,91%). Já no segmento da construção civil, o que ajudou a conter a velocidade dos preços foi a mão de obra com alta de apenas 0,22% ante 1%. Já os materiais, equipamentos e serviços tiveram forte avanço, passando de 0,37% para 0,68%.

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
18 de outubro de 2018
15 de outubro de 2018
14 de outubro de 2018
11 de outubro de 2018
09 de outubro de 2018