Votação do Plano de Preservação de Brasília é adiada, mas impasse permanece

Decisão sobre o Plano de Preservação de Brasília fica para a próxima terça-feira, adiando, mais uma vez, a definição de pontos fundamentais para a ocupação territorial. Segundo conselheiros, o assunto ainda precisa de debate. Secretário deixa reunião irritado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 20/03/2014 09:34 / atualizado em 20/03/2014 10:31 Ariadne Sakkis /Correio Braziliense , Thaís Paranhos /Correio Braziliense
Trecho da 901 Norte, um dos locais que pode mudar de destinação e tornar-se mais uma quadra habitacional e comercial no Plano Piloto - Daniel Ferreira/CB/D.A Press Trecho da 901 Norte, um dos locais que pode mudar de destinação e tornar-se mais uma quadra habitacional e comercial no Plano Piloto

A câmara técnica criada dentro do Conselho de Planejamento Territorial e Urbano (Conplan) frustrou a expectativa do secretário de Habitação, Geraldo Magela, de votar ontem as planilhas e mapas do Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (PPCub). O grupo teve apenas dois dias para avaliar as 700 páginas que determinam o futuro da área tombada de Brasília e pediu a extensão do prazo, estipulado para a próxima terça-feira. O adiamento, embora consensual entre os conselheiros, não minimiza as polêmicas envolvendo o projeto de lei. Governo e especialistas em urbanismo não entram em um acordo quanto ao texto, esticando um debate acalorado em pleno ano eleitoral. Da forma como o conselho deve aprovar o assunto, dificilmente o PPCub passará pela Câmara Legislativa.

A mudança na data vai postergar mais uma vez a conclusão da análise do PPCub pelo Conplan. Em 2012, o colegiado já havia deliberado sobre o texto, mas a composição do órgão foi questionada na Justiça, que anulou todas as decisões daquele ano. No início de 2014, enquanto o conselho estava suspenso por decisão judicial, especialistas formaram um grupo de trabalho com a sociedade civil e o governo para revisar o plano e os pontos mais polêmicos antes de uma nova votação. No entanto, com a restituição do Conplan, o assunto voltou à pauta de discussão e reacendeu antigas divergências sobre o tema.

Aos olhos do arquiteto e conselheiro pela Universidade de Brasília (UnB), Benny Schvarsberg, o encaminhamento como está posto passa por cima da revisão e enterra um debate mais profundo com a sociedade. O professor alinha-se a representantes do Instituto de Arquitetos do Brasil do DF (IAB), do Conselho de Arquitetura e Urbanismo no DF e da organização Rodas da Paz, todos conselheiros do Conplan, que votaram contra a aprovação do PPCub. O representante da UnB acredita que o prazo não vai encerrar o embate sobre assunto. “O adiamento é favorável porque temos a chance de aprofundar o assunto, mas ele não resolve uma divergência estrutural e fundamental sobre o projeto de lei. Ele precisa de um tempo de maturação porque estamos tratando da capital da República, reconhecida mundialmente como Patrimônio Cultural da Humanidade”, avaliou.

A discussão sobre o tema extrapolou a esfera burocrática e envolveu a sociedade no debate. Isso porque o plano prevê novidades em áreas não exploradas da área tombada, como a construção de edifícios na 901 Norte, a implantação da Quadra 500 do Sudoeste e a possibilidade de estacionamentos subterrâneos na Esplanada dos Ministérios, pontos de divergência no próprio governo.

Sobre as garagens, foi divulgada parte de um documento atribuído à gerência de engenharia do Departamento de Trânsito que, em 2013, manifestou-se contrária à proposta. “Os projetos de estacionamento subterrâneo na Esplanada dos Ministérios (…) dependem de definição de política pública. Esses projetos tendem a incentivar o uso do veículo motorizado individual, que é contrário à Política Nacional de Mobilidade Urbana”, diz o despacho. A diretoria do Detran não confirma a oficialidade do documento.

Prazo curto

Na sexta-feira da semana passada, por 19 votos a 4, os conselheiros aprovaram apenas a minuta do projeto de lei que será encaminhado à Câmara Legislativa. No mesmo dia, a câmara técnica foi criada para examinar o detalhamento das tabelas e normas de edificação que nortearão a construção na poligonal tombada, elaborar um voto e apresentar ao conselho para votação. No início da reunião no Conplan de ontem , Adalberto Valdão Júnior, conselheiro suplente do Sinduscon e representante do corpo técnico, afirmou que os trabalhos não foram concluídos e pediu mais prazo.

Segundo ele, não houve tempo hábil para analisar mais de 70 planilhas. “A gente precisa ter segurança para trazer ao Conplan um voto que a gente tem a certeza de que vai proteger o tombamento da cidade”, explicou. Valadão informou que o grupo técnico começou as análises pelos pontos mais polêmicos do documento, como a ocupação na orla do Lago Paranoá e a regulamentação da Quadra 500 do Sudoeste. Ele disse, no entanto, que não há pressão dentro do Conplan para a rápida aprovação do conselho.

Tags: sustentabilidade

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
15 de novembro de 2018
13 de novembro de 2018
12 de novembro de 2018
08 de novembro de 2018
04 de novembro de 2018