Arquiteta brasileira vence concurso e projeta nova estação de metrô de Paris

Elizabeth de Portzamparc bateu nomes de gigantes e ganhou este mês o concurso para construir a nova estação de metrô Le Bourget, orçada em quase 90 milhões de euros

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 24/12/2014 08:02 / atualizado em 23/12/2014 16:38 Lugarcerto /Estado de Minas
AECDP/Divulgação


A arquiteta carioca Elizabeth de Portzamparc bateu nomes de gigantes como Norman Foster e outros e ganhou este mês o concurso para construir a nova estação de metrô Le Bourget, em Paris, orçada em 86 milhões de euros e com cerca de 7 mil metros quadrados de construção.

A estação de Le Bourget integra metrôs e trens e é parte do novo traçado urbano de Paris, denominado Grand Paris Express (GPE), que cria novos bairros e moderniza a rede de transportes existente - todo o atual sistema de metrô de Paris será renovado em 15 anos. Ao todo, serão 205 quilômetros de linhas e 17 novas estações até 2030 - as estações serão conectadas aos aeroportos e ao principal trem de grande velocidade (o TGV).

Le Borget abrigará um metrô automático. As outras estações já em construção são Villejuif, Noisy-Champs e Clichy-Montfermeil, cujo design foi assinado pelos arquietos Enric Miralles e Benedetta Tagliabue, de Barcelona.

AECDP/Divulgação


Le Bourget é sede do mais antigo aeroporto de Paris e também abriga o Musée de l’Air et de l’Espace, que conta a história da aviação pioneira francesa. "Por causa disso, a estação evoca uma sensação de voo, como se o edifício flutuasse. Também é um projeto de muita funcionalidade", disse Elizabeth.

O desenho de Elizabeth, sócia do escritório Elizabeth & Christian de Portzamparc (AECDP), mostra espaços em dois níveis, iluminados por uma fachada semi-transparente e de gigantesco pé alto, que atravessa toda a parede exterior. Elizabeth buscou uma noção de espaço "habitável", aconchegante, para a construção, usando materiais reciclados e cores quentes, além de uma "forte presença da natureza". As plataformas subterrâneas seguem o princípio do "total flex", no qual as estruturas interiores são flexíveis e permitem a mudança de uso do espaço no futuro.

AECDP/Divulgação

AECDP/Divulgação


fonte: Agência Estado

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
16 de dezembro de 2018
15 de dezembro de 2018
13 de dezembro de 2018
06 de dezembro de 2018
03 de dezembro de 2018