Iphan lança o livro Projetos para Brasília com debate sobre os 55 anos da capital federal

A publicação analisa as curvas e formas intrigantes do projeto urbanístico inovador da arquitetura modernista no Brasil

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 20/04/2015 08:15 / atualizado em 18/04/2015 08:02 CorreioWeb /Lugar Certo
Um dos mais expressivos conjuntos urbanísticos produzidos pelo homem moderno, atualmente Patrimônio Cultural da Humanidade, é o principal tema do livro Projetos para Brasília 1927-1957, que será lançado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em São Paulo, no dia 25 de abril, em evento gratuito e aberto ao público.

Divulgação
O Museu da Casa Brasileira (MCB), Instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, sediará o lançamento que tem início às 10h30, e contará ainda com uma mesa redonda para debater o tema Brasília e a Cultura Urbanística, mediada pelo diretor do Departamento de Articulação e Fomento do Iphan, Luiz Philippe Peres Torelly, com a participação dos arquitetos do Instituto de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo (IAU-SP) Sarah Feldman e Carlos Roberto Monteiro de Andrade e do arquiteto Abílio Guerra, diretor do site Vitruvius.

A publicação de Jeferson Tavares, resultado de sua pesquisa de mestrado no Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU) da USP São Carlos, em 2004, analisa tanto as curvas e formas intrigantes do projeto urbanístico inovador do pioneiro da arquitetura modernista no Brasil e vencedor do Concurso do Plano Piloto de Brasília, Lucio Costa, como também os outros 26 projetos participantes. O livro aborda ainda, com riqueza e profundidade, as origens das ideias e conceitos do ponto de vista histórico, político e urbanístico que influenciaram a localização e configuração urbana de Brasília.

Leia mais notícias em Últimas

A pesquisa de Jeferson Tavares já havia sido destacada no MCB, durante o cinquentenário de Brasília, em 2010. Na ocasião, foi realizada a exposição “Outros Planos: Brasília”, que permitiu a visualização de uma síntese das soluções apresentadas para o Plano Piloto da cidade, além da compreensão da parcialidade do júri em selecionar projetos com filiações modernistas. “Essa seleção permite que nos aproximemos das decisões do júri, compreendendo, assim, que a eleição dos finalistas esteve diretamente atrelada aos preceitos da vanguarda urbanística da época, ligada ao Movimento Moderno, embora a contribuição dos projetos vá além desses preceitos”, afirmou Jeferson Tavares à época. “Outros Planos” sugere um olhar sobre a realidade urbana brasileira da primeira metade do século 20, cujas soluções – esquecidas ou ignoradas – ainda podem nos ensinar através de erros e acertos”.

O Superintendente do Iphan-DF, Carlos Madson, autor da apresentação do livro, descreve a como Brasília como uma cidade incomum, “que adquiriu notoriedade e importância por sua trajetória evolutiva não em virtude de algum acontecimento singular ocorrido em seu espaço, como em tantas outras cidades do mundo. Ao contrário, a concepção urbana singular (...), a idealização de uma nova capital para o país desejoso de ser moderno e autônomo, bem como a epopeia da construção em pouco mais de três anos é que a tornaram uma cidade histórica”.

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
20 de setembro de 2018
17 de setembro de 2018
14 de setembro de 2018
09 de setembro de 2018