Manual ensina a reduzir o gasto com água em condomínios em até 50%

Além da mudança de hábitos é essencial adequar o imóvel a práticas atuais de sustentabilidade, com a troca de torneiras e instalação de redutores de pressão e arejadores

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 24/08/2015 10:06 / atualizado em 21/08/2015 12:49 Carolina Cotta /Estado de Minas
Son Salvador
A Organização das Nações Unidas (ONU) recomenda o consumo máximo de 110 litros de água por dia, medida suficiente para as necessidades básicas de uma pessoa. Em um prédio com 100 moradores, portanto, o consumo diário de água deveria ser de 11 mil litros. Mas será que algum síndico tem feito essa conta? Porque a meta, os moradores, provavelmente, não estão atingindo. Nos condomínios, o consumo de água é a segunda maior despesa, cerca de 12% a 15%, atrás apenas de mão de obra e encargos. Fechar as torneiras, então, não só ajuda a enfrentar o problema da escassez do recurso, como significa menos dinheiro saindo do bolso.

Esta semana, o Secovi-SP lança o primeiro capítulo do seu Manual de sustentabilidade condominial, sobre Economia de água. A versão eletrônica, disponível para download gratuito a partir do dia 20, no site www.secovi.com.br/condomínios, é dirigida a síndicos, funcionários de condomínios e administradoras. Como o jeito de economizar água em São Paulo ou Minas Gerais não muda, as medidas – mudança de hábitos, otimização do uso de água potável, controle do consumo, correção e prevenção de vazamentos e priorização de equipamentos economizadores – podem mudar a realidade de condomínios também aqui.

Leia mais notícias em Últimas

Segundo Geraldo Bernardes Silva Filho, diretor de Sustentabilidade Condominial do Secovi-SP, os prédios mais novos já estão mais preocupados com a sustentabilidade e trazem água e gás individualizados, o que ajuda à medida que cada unidade sabe o quanto gasta e o quanto paga pelo recurso. Mas uma série de ações pode ajudar a mudar a realidade de qualquer prédio. “Os que implantarem todas as ações propostas pelo manual podem ter economia de 30% a 50%.” Todo mundo sai ganhando”, defende. Para começar, o síndico deve medir, sempre no mesmo horário, o consumo de água de um dia para o outro. Assim, é possível observar a média de consumo e controlar possíveis desvios. Com o dado em mãos, começam as mudanças.

Uma das sugestões é substituir a ponta das torneiras, colocando um arejador. Com a função de acrescentar oxigênio à água, eles chegam a economizar até 80%. Segundo Geraldo, os modelos no mercado variam de R$ 3 a R$ 15, e a economia que promovem paga o investimento em dois únicos dias. Limitadores de pressão, nas torneiras e chuveiros de cada unidade, começando dos andares mais baixos para os mais altos, também representam grande economia. O controlador custa entre R$ 1 e R$ 9.

O Secovi também sugere o investimento na descarga de dois fluxos, tanto para as afixadas em parede (não é preciso quebrar nada, apenas trocar o botão de acionamento) quanto para as de caixa acoplada. Outra opção é investir em torneiras economizadoras, um pouco mais caras, mas nas quais é possível definir o tempo do fluxo. Para as áreas comun,s a dica é adotar torneiras com cadeados, para evitar que qualquer pessoa tenha acesso e isso aumente a chance de desperdício. “Mas o condomínio não pode deixar de comunicar aos moradores o impacto das medidas”, alerta.

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
20 de novembro de 2018
19 de novembro de 2018
15 de novembro de 2018
13 de novembro de 2018