ENTREVISTA

Afinal, a cláusula de tolerância de entrega do empreendimento por 180 dias é legal ou ilegal?

Tire as suas dúvidas sobre o prazo de tolerância de entrega de imóveis

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 03/08/2016 10:37 / atualizado em 22/08/2016 18:13 CorreioWeb /Lugar Certo
	VIA/Divulgação


Presente em praticamente todos os contratos de venda e compra de imóveis na planta, a cláusula de prorrogação ou cláusula de tolerância tem sido muito questionada pelos consumidores.

A promessa de que o imóvel será entregue em três anos quase não é cumprida. As construtoras geralmente usam o prazo de180 dias de tolerância para concluir a obra, mas muitas vezes este prazo é ultrapassado e para não pagar multa é apresentado que houve caso fortuito ou de força maior. O Lugar Certo conversou com o especialista em direito imobiliário do escritório M.Oliveira, Mateus Oliveira, para esclarecer as dúvidas dos leitores.


1. Qual é a real responsabilidade da imobiliária e do corretor autônomo no atraso da entrega de empreendimentos pela construtora?

M.O: A imobiliária e o corretor atuam apenas na intermediação da venda dos imóveis entre consumidores e incorporadoras. A responsabilidade no atraso da entrega é da incorporadora.

2. Muitas construtoras prometem a entrega de um lançamento imobiliário em um determinado prazo, mas não o cumprem. Que amparo legal o comprador desse imóvel tem?

M.O: Não há disposição legal específica para este caso, mas as decisões dos tribunais têm reconhecido a validade do prazo de tolerância de 180 dias, após o qual poderá o consumidor pleitear uma indenização mensal correspondente ao valor de um aluguel de um imóvel do mesmo tipo situado na mesma região.

3. O que o comprador deve checar no contrato antes da compra para evitar problemas com essa questão?

M.O: São diversos os aspectos que devem ser atentamente analisados pelo consumidor. Recomenda-se sempre consultar um advogado que o oriente a respeito dos riscos envolvidos no negócio e dos direitos que o consumidor terá em caso de eventual litígio.

4. Em quais situações a construtora consegue justificar o atraso em uma obra?

M.O: Decisões dos tribunais têm reconhecido a validade do prazo de tolerância de 180 dias de atraso da obra, independentemente da justificativa, tendo em vista a complexidade de uma obra e suas diversas interferências externas e necessidade de atuação do poder público na expedição da Carta de Habite-se. Atrasos superiores aos 180 dias são analisados com muito rigor pelos tribunais.

5. Quais são as maiores dificuldades encontradas no DF por parte das construtoras durante o processo de construção?

M.O: No Distrito Federal a maior dificuldade está no momento da obtenção da Carta de Habite-se. A Promotoria de Urbanismo do MPDFT vem questionando a regularidade das aprovações de projeto ocorridas entre 2010 e 2012, razão pela qual o Governo vem se recusando a expedir a Carta de Habite-se caso a incorporadora não consiga provar que o projeto foi efetivamente aprovado corretamente. Esta situação tem gerado discussões infindáveis e desconsidera, em boa parte dos casos, os princípios da segurança jurídica, da vedação de interpretação diversa retroativa da lei e da presunção de legalidade dos atos administrativos.

Tags: sinaenco-mg obra custo construir planejamento

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
06 de dezembro de 2018
03 de dezembro de 2018
02 de dezembro de 2018
25 de novembro de 2018