Está tudo ok?

Vistoria cautelar certifica que os imóveis estejam sem falhas técnicas ou estruturais

Medida é importante para empresas que desejam construir sem provocar dor de cabeça na vizinhança

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
Daniel Rezende utiliza fissurômetro para verificar a abertura da lesão na alvenaria - Arquivo Pessoal Daniel Rezende utiliza fissurômetro para verificar a abertura da lesão na alvenaria

Como diria o ditado popular: “Prevenir é melhor do que remediar”. Na hora de iniciar o processo de construção de uma obra, todo cuidado é pouco, principalmente em relação à vizinhança do futuro empreendimento. Qualquer trinca, rachadura ou fenda podem gerar dores de cabeça e aumento nos gastos para a empresa e insegurança e preocupação para moradores da região. Por isso, deve ser feita a vistoria cautelar, para evidenciar o real estado de uma edificação nas questões estruturais e físicas.

A vistoria cautelar é um instrumento técnico capaz de demonstrar e cadastrar o estado atual dos lares em período anterior à realização de uma obra vizinha. Isso evita que sejam realizadas atribuições de responsabilidade pelo surgimento de problemas posteriores à obra. “Sob a ótica do vizinho, caso surja algum dano no período de realização da obra e, ainda, que o referido dano tenha sido ocasionado em razão dos procedimentos construtivos realizados pela obra, esse vizinho terá um instrumento de prova em mãos para fins de demonstrar que o mesmo não se fazia presente em período anterior às atividades construtivas realizadas”, afirma Daniel Rezende, engenheiro civil e diretor técnico do Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de Minas Gerais (Ibape/MG).

Segundo Rezende, o levantamento de dados deve inspecionar os elementos construtivos, em especial as fundações, os elementos estruturais (pilares, vigas e lajes), as alvenarias de vedação, as esquadrias, os revestimentos e os demais acabamentos, e, ainda, o telhado de cobertura. É importante frisar que a vistoria deve ser realizada por um profissional habilitado, que tenha formação em engenharia ou arquitetura, conforme preconiza a norma de vistoria cautelar do Ibape/MG, de 2014. “Sendo recomendável, ainda, que esses profissionais também tenham, além da habilitação, a qualificação, ou seja, a expertise e o conhecimento específicos para a realização desse trabalho”, pontua.

Os problemas mais recorrentes encontrados na realização das vistorias cautelares são as infiltrações, fissuras e trincas nas alvenarias. Porém, é possível verificar ocorrências de abatimentos no piso, vidros quebrados, vazamentos nas instalações hidrossanitárias, vazamentos nos telhados de cobertura e, ainda, danos em louças e metais de acabamento. Esses dados deverão ser documentados, registrados e fotografados na data da vistoria.

Em muitos casos, litígios e ocorrências poderiam ser reduzidos ou até mesmo evitados se uma vistoria cautelar houvesse sido realizada em imóveis próximos às obras. Para o diretor técnico, a vistoria deve ser vista como elemento essencial antes de qualquer intervenção construtiva. “Não existe uma legislação específica que obrigue à realização da vistoria cautelar. No entanto, existem normas técnicas que preconizam sobre a realização desse serviço, entre elas a Norma de Vistoria Cautelar do Ibape/MG (2014) e a norma ABNT NBR 12722/1992 (Discriminação de serviços para construção de edifícios)”, comenta Daniel Rezende.

ALERTA

“Outra vantagem é que, ao realizar a vistoria no imóvel, caso sejam constatados sinais de instabilidade, incapacidade para suportar as obras que serão realizadas no entorno e até mesmo risco de queda da edificação, o vistoriador poderá alertar o proprietário/ocupante do imóvel sobre os possíveis riscos e, ainda, à empresa construtora, de forma a resguardar a integridade física dos moradores e usuários, bem como preservar a edificação, funcionando, portanto, como ferramenta de antecipação de riscos”, explana o diretor, acrescentando que a vistoria também pode ser uma maneira de direcionar a obra para cuidados observados, minimizando riscos durante a construção do empreendimento.

Além disso, a vistoria cautelar traz economia financeira para as construtoras. “Verifica-se que essa vistoria se trata de instrumento técnico importante, necessário e com relação custo/benefício muito atrativa para o construtor, levando-se em consideração a sua serventia”, comenta. Daniel conta que atuou realizando perícias judiciais em edificações em que não foram feitas as vistorias cautelares, tendo em vista o impasse criado pela falta de informações sobre a edificação em período anterior à realização da obra, “gerando um custo para a realização do trabalho três a quatro vezes maior do que se pagaria com a realização da vistoria cautelar”.

Além de funcionar como um instrumento de garantia e segurança para o vizinho, a vistoria torna-se também ferramenta de aproximação entre o construtor e a vizinhança, “uma vez que a realização desse trabalho demonstra que a empresa construtora tem responsabilidade e que está preocupada com as suas atividades e suas influências”, explica. Além disso, pode contribuir com o marketing e, consequentemente, com a comercialização do empreendimento a ser construído, tendo em vista que possíveis compradores podem vir da própria vizinhança.

* Estagiário sob a supervisão da subeditora Elizabeth Colares

Últimas notícias

ver todas
14 de março de 2019
03 de março de 2019
01 de março de 2019
28 de fevereiro de 2019
27 de fevereiro de 2019