Aumento pontual

Custo da construção sobe 0,10% em Belo Horizonte em março

Acumulados do primeiro trimestre e ao longo do ano sinalizam uma elevação do índice

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 04/05/2019 07:00 / atualizado em 03/05/2019 18:19 José Alberto Rodrigues* /Estado de Minas
Os custos com a mão de obra no setor permaneceram estáveis no período - Breno Fortes/CB/D.A Press - 7/4/16 Os custos com a mão de obra no setor permaneceram estáveis no período

O Custo Unitário Básico de Construção (CUB/m²) registrou aumento de 0,10% em março e ficou 0,03 ponto percentual abaixo de fevereiro, cuja variação foi de 0,13%. Entre os componentes do CUB/m² observou-se, em março, alta somente no custo com material (0,25%). Os custos com a mão de obra, com as despesas administrativas e com o aluguel de equipamentos permaneceram estáveis.

O custo do metro quadrado de construção em Belo Horizonte segue o projeto-padrão R8-N que contempla uma residência multifamiliar, padrão normal, com garagem, pilotis, oito pavimentos-tipo e três quartos. O CUB/m² é um indicador de custos do setor contrutivo e acompanha a evolução do preço do material de construção, da mão de obra, da despesa administrativa e do aluguel de equipamento. É calculado e divulgado mensalmente pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), de acordo com a Lei Federal 4.591/64 e com a Norma Técnica NBR 12721:2006 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

O valor da construção em fevereiro/19 era R$ 1.419,20 e passou para R$ 1.420,58 em março/19. Na composição do CUB/m² (projeto-padrão R8-N) a mão de obra representou, em março, 56,18% do custo total, os materiais de construção responderam por 39,71% e as despesas administrativas e de aluguel de equipamentos foram responsáveis por 4,11%. Em março, os materiais que apresentaram aumentos de preços foram areia (3,33%), fio de cobre antichama (2,33%), aço CA 50 10mm (1,95%), bacia sanitária branca (1,95%), tinta latex (1,43%) e brita (1,41%).

Apesar das elevações, o economista e coordenador sindical do Sinduscon-MG, Daniel Furletti, destaca que esses aumentos refletem a economia que se encontra no país. “Esses acréscimos estão ocorrendo de forma pontual e não generalizada”, frisa. O economista revela que a inflação está em patamares menores, já que o Banco Central revisou a meta para 4,25%; antes, era 4,5% ao ano. “O CUB vem refletindo e acompanhando esses números.”

Porém, alguns insumos se destacam por altas expressivas e, por isso, é importante acompanhar. Do total dos itens pesquisados, 26,92% registraram elevação, 61,54% mantiveram seus preços e 11,54% registraram queda. “As expectativas estão estruturadas nas reformas em tramitação ainda. No caso da reforma da Previdência, há a expectativa de desafogar o lado fiscal, podendo retomar os investimentos e recuperar o desempenho do mercado.”

ACUMULADOS


Nos primeiros três meses do ano, o CUB/m² registrou alta de 0,76%. Já o custo com material aumentou, nesse período, 0,74%, e o custo com a mão de obra cresceu 0,82%. Os custos com as despesas administrativas e com o aluguel de equipamentos ficaram estáveis. “O setor ainda está em compasso de espera dos investimentos. O ano começou com grandes expectativas que ainda não foram concretizadas, o que diminui a confiança de investir”, pontua Daniel Furletti.

Os materiais que registraram as maiores elevações de preços nesse período foram areia (6,90%), brita (5,88%), aço CA 50 10mm (4,87%), tubo de PVC rígido reforçado para esgoto – 150mm (4,84%) e registro de pressão cromado (3,37%).

Nos últimos 12 meses, o CUB/m² (projeto-padrão R8-N) registrou alta de 6,09%, o que foi reflexo das seguintes variações: 5,38% no custo com material de construção, 7,03% no custo com a mão de obra, 0,20% nas despesas administrativas e 6,71% no aluguel de equipamentos. Os materiais que apresentaram as maiores elevações em seus preços nos últimos 12 meses foram: porta interna semioca para pintura (21,57%), emulsão asfáltica (20,77%), aço CA 50 10mm (19,71%), bacia sanitária branca com caixa acoplada (18,62%) e tubo de ferro galvanizado com costura 2½” (18,47%).

Em Belo Horizonte, existe a preocupação do setor com a aprovação do novo Plano Diretor, que está em tramitação na Câmara. “Esse novo plano dificulta a construção e cria uma espécie de imposto, a outorga onerosa, além de eestipular um coeficiente muito baixo, o que encarece os processos de construção”, destaca o economista.

A construção civil está com um ritmo baixo de atividades em relação à mão de obra. Em janeiro e fevereiro deste ano, o setor foi responsável pela geração de 5.326 novas vagas com carteira assinada na Região Metropolitana de Belo Horizonte, sendo que o número de trabalhadores formais passou para 125.919 em fevereiro/2019. Entretanto, em fevereiro/2014, por exemplo, esse número era muito superior: 175.211. “Temos a necessidade de a construção voltar a desempenhar o papel socioeconômico e estratégico na economia brasileira. É um setor que emprega muito e tem uma cadeia produtiva muito extensa, propagando renda, emprego e tributos”, afirma Daniel Furletti.

* Estagiário sob a supervisão da editora Teresa Caram

Últimas notícias

ver todas
14 de outubro de 2019
11 de outubro de 2019
23 de setembro de 2019
18 de setembro de 2019
30 de agosto de 2019