Funcionamento inteligente

Tendência do smartwork alinha produtividade ao bem-estar do profissional

Ferramenta pode ser estratégica para as empresas que querem resultados

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 27/07/2019 08:10 / atualizado em 30/07/2019 11:33 José Alberto Rodrigues* /Estado de Minas
Forte tendência no mundo corporativo, ambientes funcionais e bem decorados visam à satisfação da pessoa em primeiro lugar  - Gustavo Xavier/Divulgação Forte tendência no mundo corporativo, ambientes funcionais e bem decorados visam à satisfação da pessoa em primeiro lugar

Imagine trabalhar em um espaço que priorize a sua saúde mental e bem-estar, além, é claro, de potencializar as metas e resultados da empresa. Estudo divulgado pela Previdência Social mostrou que a estimativa é de que, até 2020, o estresse seja o principal motivo de afastamento e falta no trabalho. É nesse contexto que o conceito smartwork tem se fortalecido entre novas empresas e sturtups. Como uma nova forma de encarar ambientes de trabalho e o quanto isso impacta diretamente no bem-estar físico, psicológico e no rendimento e produtividade da equipe.

De acordo com o arquiteto Junior Piacesi, o modelo smartwork é um conceito de trabalho que faz contraponto à cultura do hardwork que, até o momento, era considerada como chave para o sucesso e sinônimo de eficiência. “Esse conceito tem como foco a satisfação profissional e a qualidade de vida e vem se fortalecendo mundialmente. Nele, o trabalho passa a ser gerido de forma diferente, inteligente e planejada, fazendo uso de ferramentas e tecnologias que diminuam desgastes físicos e mentais, colocando o bem-estar e a satisfação das pessoas em primeiro lugar”, esclarece.

O arquiteto afirma que cada projeto é criado com uma funcionalidade e finalidade e é por isso que a arquitetura tem estado tão ligada a estudos e pesquisas de como o ambiente influencia diretamente nas pessoas. “No caso de ambientes corporativos, cada empresa tem de ser projetada conforme sua área de atuação, mas pensando em como aquele local pode impactar positivamente nas pessoas que ali trabalham”, destaca. Enquanto isso, os estudos de neuroarquitetura vêm pautando esse processo e seu impacto nas atitudes, decisões e resultados das empresas. “O ambiente corporativo não precisa nem deve ser monótono. Ele deve ser funcional e favorecer a produtividade e o bem-estar”, pontua Piacesi.

Segundo a arquiteta Renata Ferreira, sócia na Sinapse Arquitetura, um ambiente harmonizado pode ser propício para o trabalho e melhora o retorno para a empresa. “Somos seres sensoriais. Portanto, estamos sujeitos à influência do espaço onde vivemos, trabalhamos ou estudamos. O ambiente de trabalho harmonizado, levando em consideração os recursos da neuroarquitetura, pode, com certeza, aumentar a criatividade, engajamento da equipe, satisfação pessoal, valorização do profissional, pertencimento ao lugar e, assim, aumentar o retorno para a empresa consideravelmente”, comenta.

Gustavo Xavier/Divulgação

Outra sócia na Sinapse, a arquiteta Ana Paula Guedes diz que escritórios antigos são semelhantes em aparência, com labirintos de divisórias criando cubículos, cores suaves e pouca ou nenhuma luz natural. “O design de escritório sempre se pautou na funcionalidade. Projetar espaços de escritório diversificados é o caminho para impulsionar o cérebro para um melhor desempenho”, explica.

APOIO MÚTUO


A experiência com os smartworks não traz apenas benefícios para a produtividade dos espaços. Tanto os donos das empresas quanto os funcionários são beneficiados com essa mudança da estrutura organizacional e arquitetônica. Junior Piacesi afirma que a arquitetura tem avançado a passos largos no que diz respeito a estudar e entender cada vez mais as consequências psicológicas que um local pode trazer para os indivíduos. “Já existem estudos da neuroarquitetura que indicam que a pessoa deve passar 30% do tempo total de trabalho dentro de um escritório de pé; 10% em movimento, enquanto o tempo assentado deve se restringir a 60%, isso para eficácia e produtividade. Para isso, é importante que exista alinhamento entre os estímulos físicos, a arquitetura do espaço e a cultura organizacional, de forma a favorecer essa divisão do tempo”, salienta.

Gustavo Xavier/Divulgação

Além disso, o arquiteto frisa que, independentemente do produto final, há uma melhora na cultura de trabalho após mudança no ambiente em que estavam inseridos. “Os funcionários de empresas que já ajudei, mesmo sem perceber o real motivo, conseguem produzir com mais leveza e bem-estar mental por meio de uma mudança na iluminação artificial e natural, na disposição dos móveis, cores da parede e verde implantado no local”, relembra. 

Enquanto isso...

O estresse é o terceiro motivo que mais provoca afastamento do trabalho por mais de 15 dias atualmente. Segundo a Previdência Social, no ranking de doenças que mais afastam os trabalhadores das atividades, o problema só perde para traumas provocados por acidentes e pelas Dorts – doenças por esforço repetitivo. De acordo com a Previdência, a estimativa é que, até 2020, o estresse passe a ser o primeiro motivo para as faltas e afastamentos.

CINCO ELEMENTOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UM SMARTWORK

» Estímulos - Elementos sensoriais e físicos podem favorecer ou desfavorecer a criatividade, a motivação, o envolvimento, a produtividade, e interferir positiva ou negativamente na saúde das pessoas e, consequentemente, nos resultados da empresa.

» Cores e texturas - 
As cores criam uma relação com o usuário e são os primeiros elementos da experiência. É a combinação de cores e texturas que produz nas pessoas as sensações e impressões relacionadas àquele ambiente e, num ambiente que deve favorecer produtividade, criatividade e interação em proporções específicas, as escolhas mais clean conseguem atingir esse objetivo.

» Verde - A utilização de vegetação garante a conexão com a natureza. Os colaboradores que estão trabalhando no local poderão se sentir mais próximos do ambiente externo, do verde, criando um equilíbrio entre a correria do dia a dia e o relaxamento.

» Iluminação -
Ela é capaz de despertar sensações, cria cenários e tem o poder de contribuir para que o lugar fique confortável ou estressante, por exemplo. Em ambientes corporativos, a iluminação é fundamental para a produtividade e desenvoltura dos funcionários, priorizando a luz natural.

» Interação - Uma das mais importantes estratégias para fortalecimento do smartwork é criar um ambiente no qual as pessoas possam interagir umas com as outras, não se restringindo apenas ao conhecido networking, mas também à socialização. O trabalho assim fica mais leve, descontraído e colaborativo.

* Estagiário sob a supervisão da subeditora Elizabeth Colares

Últimas notícias

ver todas
22 de agosto de 2019
17 de agosto de 2019
09 de agosto de 2019
04 de agosto de 2019