Arquitetura e sustentabilidade

"Lar esconderijo" autossuficiente é refúgio perfeito para casal nos Estados Unidos

Construção se aninha na natureza formando um verdadeiro oásis de relaxamento. Projeto responde a desejo de casal de "se libertar"

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 29/08/2019 13:30 / atualizado em 29/08/2019 13:32 Joana Gontijo /Lugar Certo

Keith Isaacs/Divulgação

O desejo era receber um oásis de paz. Foi com esse intuito que Lynda e Howard Schultz contrataram os arquitetos do escritório Arielle Condoret Schechter para definir o novo lar, que seria um verdadeiro refúgio para o relaxamento. O pedido surgiu depois que os filhos do casal cresceram e deixaram a morada em companhia dos pais. Pelas palavras dos moradores, a ideia é "se libertar", depois que a vida tomou outro significado.

Keith Isaacs/Divulgação

O projeto no condado Chatham, na Carolina do Norte, nos Estados Unidos, vai muito além da expectativa inicial, e se transformou em um delicioso esconderijo, totalmente autossuficiente - a estrutura não precisa nem mesmo da energia elétrica de fora. 


Keith Isaacs/Divulgação

A construção é moldada para otimizar o ganho solar, a iluminação e a ventilação naturais. As passagens de ar permitem vedação, existe tecnologia de recuperação de energia e as portas e janelas são certificadas para "casas passivas". Um painel fotovoltaico está acomodado no telhado. Tudo isso para permitir que a residência gere sua própria energia, respondendo a toda demanda necessária para seu funcionamento.

Keith Isaacs/Divulgação

Um espaço que prioriza a privacidade surge pelo ambiente tranquilo e retirado em meio à floresta. Janelas altas e vegetação por todos os cantos envolvem ainda mais os moradores nesta atmosfera de descanso, onde a natureza coopera ainda para filtrar a luz do dia. No extremo oposto, a casa recebe uma áurea contemporânea, com pitadas de elementos artísticos.

Keith Isaacs/Divulgação

Geometrismo genuíno e cores primárias levam quase que instantaneamente à referência do pintor modernista Piet Mondrian. Com pormenores pincelados em vermelho, amarelo e azul, em uma das paredes do exterior, fica clara a alusão ao artista. A inspiração encontra princípios do movimento De Stijl, um grupo de artistas da vanguarda moderna holandesa que explorava formas simples e linhas retilíneas. Em acréscimo, nasce um charme refrescante pelas tonalidades preto, cinza e branco, em um plano de composição da casa que também se delineia por decisões de harmonia e equilíbrio, em elo perfeito com a natureza circundante.

Keith Isaacs/Divulgação

A edificação se desenha em três blocos: cada um recebe telhados próprios que, além de funcionarem para a cobertura, preservam janelas e vidros. Inclusive, as superfícies transparentes permitem adentrar o exuberante panorama do cenário natural ao redor. Modelando uma área agradável para receber visitas, uma varanda com cadeiras e poltronas resolve um anseio particular do casal: sentar e apreciar a chuva.

Keith Isaacs/Divulgação

Pelo interior, a premissa é pelo "menos que é mais". Paredes brancas e mobiliário em pegada neutra contrastam com um conjunto vermelho de cadeiras e mesas, além de alguns quadros distribuídos pelos cômodos.

Últimas notícias

ver todas
30 de agosto de 2019
29 de agosto de 2019
28 de agosto de 2019
26 de agosto de 2019
22 de agosto de 2019