Caminho alternativo

Blockchain facilita processos e transações imobiliárias

Tecnologias como essa podem ser opções nos processos de gestão e inovação dentro de construtoras e incorporadoras

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

Reprodução/Internet/99 Cripto

Em um mercado em que a tecnologia 4.0 bate na porta das empresas, a busca por inovação se torna importante componente para a gestão dos negócios. Entre essas tecnologias, o blockchain surge para facilitar processos e transações imobiliárias. Luciano Britto, CEO da Rhizom, empresa que trabalha com soluções baseadas em blockchain, afirma que ainda é prematuro o entendimento dessa tecnologia de registro, já que é preciso 'desprogramar o modelo mental' adotado hoje. “Sua concepção permite olharmos para novos modelos de negócios sustentados por fortes efeitos de rede, baseado em incentivos econômicos, governança mais eficaz e, principalmente, a possibilidade de modelos ecossistêmicos”, comenta.

Ele destaca que o blockchain é majoritariamente composto por quatro elementos, que contribuem para a sua crescente demanda. “Um software p2p, baseado nos princípios da computação distribuída, a qual possibilita o envio direto de arquivos digitais entre pares; um ledger (livro contábil criptografado) que registra todas as transações entre os pares, um arquivo digital token e um modelo de consenso que resolve o problema da cópia no envio entre os pares, já que, até então, os softwares p2p copiavam o arquivo original quando transacionado na rede”, explica.

"Se abro meu e-mail, anexo um arquivo digital e envio a uma contraparte, na realidade estou enviando a cópia desse arquivo, já que a outra parte o terá, mas eu também" - Luciano Britto, CEO da Rhizom
Para facilitar o entendimento, ele ensina um exemplo prático. “Se abro meu e-mail, anexo um arquivo digital e envio a uma contraparte, na realidade estou enviando a cópia desse arquivo, já que a outra parte o terá, mas eu também”, pontua Britto. Com essa tecnologia, há a possibilidade de criar, enviar e armazenar arquivos digitais únicos na internet e, a partir dessa capacidade, gerar outros benefícios, “possibilitando a criação de “dinheiro”, registros de contratos únicos e tokens que sua fisiologia permite a representação única de ativos existentes no mundo real, como projetos, fundos, imóveis, obras de arte e empresas, entre outros”, salienta.

CASE

De olho nas tendências nos processos de gestão e inovação, a MRV Engenharia realizou sua primeira incorporação imobiliária no mercado utilizando a tecnologia blockchain, para otimizar serviços cartorários em ambiente virtual. O procedimento ocorreu para a incorporação de um empreendimento que será lançado pela construtora em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro.

De acordo com o diretor de tecnologia da informação da MRV, Reinaldo Sima, o blockchain visa agregar valor ao negócio, por meio da integração de informações em uma rede virtual de múltiplos atores, como incorporadoras, seguradoras, bancos e cartórios. “Por meio do blockchain, uma rede de cartórios é capaz de trazer agilidade para incorporadoras e clientes, com reduções de prazos e simplificação de processos”, comenta.

Com os processos simplificados, é possível realizar contratos eletrônicos, como de compra e venda, alvarás e licenciamentos de obras em formato digital, além de integrar operações que envolvam bancos e instituições financeiras. “Essa tecnologia permite ganho significativo na experiência do cliente, uma vez que os processos se tornam ágeis, e reduz os prazos de registros do imóvel, o que pode influenciar no tempo da entrega de chaves aos nossos clientes”, pontua o diretor.

A empresa concluiu o ato de incorporação imobiliária em blockchain em pouco tempo, o que não ocorreria se o processo fosse por meio físico, que poderia chegar a 45 dias, por exemplo. “A experiência da MRV com o blockchain foi bastante positiva, considerando que todo o processo para a legalização da incorporação do terreno junto ao cartório ocorreu em apenas quatro dias, no município de Duque de Caxias”, frisa. A MRV pretende expandir a tecnologia para o âmbito do registro de pessoa física, visando a experiência positiva do cliente por meio da agilidade e segurança do processo.

Para Luciano Britto, ainda existem barreiras regulatórias, de forma experimental, porém altamente promissora. “A tokenização de ativos imobiliários pretende revolucionar o setor, trazendo mais liquidez, acesso e subvertendo a lógica de uma ciranda financeira que até hoje privilegiou restritos participantes”, conclui.

 

*Estagiário sob supervisão da subeditora Elizabeth Colares

Últimas notícias

ver todas
30 de janeiro de 2020
16 de janeiro de 2020
19 de dezembro de 2019
21 de novembro de 2019
28 de outubro de 2019